19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioGERALA propósito da praxe académica

A propósito da praxe académica

Sou a favor da praxe, muito especialmente da praxe coimbrã, porque a entendo como fazendo parte de um património cultural que nos individualiza.

Foi por isso, que na segunda metade de 70, lutei pelo ressurgimento da Praxe e do Fado, em Coimbra, ambientes muito adversos.

Venceu a “alma da cidade” – e, hoje, a Praxe e o Fado são património cultural da humanidade.

 

No início de cada ano escolar repetem-se as críticas às praxes académicas universitárias. E algumas, mais radicais, defendem mesmo o fim da praxe.

Também critico alguns comportamentos. Não entendo como gente supostamente de cultura acima da média assume comportamentos puramente animalescos.

Mas não vou atrás dos que – a propósito de uma ou outra situação condenável – tentam decretar o fim da praxe. Nem por sombras.

 

A este propósito, deixem-me contar uma “estória” e tirem as conclusões que entenderem…

 

Há precisamente 21 anos, em Setembro de 1992, o JN enviou-me para Paris durante 10 dias para fazer a reportagem do referendo francês ao Tratado de Maastricht.

Tive de desunhar-me para encontrar motivos de reportagem para tantos dias, para além do relato dos comícios, que eram sempre altas horas da noite.

Num dia, meti-me no comboio e fui a Saint Germain-en-Laye, a uns 40 km de Paris, entrevistar Artur Jorge, na altura ex-seleccionador português e treinador do Paris Saint-Germain. [Um episódio que merecerá uma crónica noutra altura, dada a forma cordial como decorreu a entrevista e o desfecho que teve.]

Noutro dia, entrei num táxi conduzido por um português e este diz-me ter uma filha que acaba o curso universitário nesse dia e que isso é motivo de festa na faculdade. [Fiz uma reportagem sobre o facto dos portugueses já só conduzirem táxis de dia; à noite, eram os magrebinos – marroquinos, argelinos, etc.]

Peço-lhe que me leve lá. Já não recordo qual a Universidade, talvez Paris IV, talvez outra…

Chego lá e o que vejo? Os novos doutores num pátio e os amigos e familiares nos varandins. E que mais? Jovens estudantes vendiam aos amigos e familiares ovos de galinha, a 1 franco cada.

E qual era o objectivo? Acertar com os ovos nos recém-licenciados!

Imaginam o “cenário”…

 Era finais do século XX, em Paris, Cidade da Luz, capital de um país culto.

paris

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura