10.8 C
Coimbra
Sexta-feira, 23 Fevereiro, 2024
InícioDESTAQUEDa paixão pelos jornais

Da paixão pelos jornais

Tento, tento… mas de pouco vale. Ano após ano, é sempre a mesma coisa. Não consigo “desligar-me”. Com os telemóveis, é mais fácil: um foi guardado na gaveta. (Mas o outro está aqui ao lado, na mesa da esplanada, a olhar a Ria Formosa, local de repouso há três décadas). Tempo de férias é espaço de descanso, de gozos irrepetíveis. Duas semanas em calções, o caminhar na relva madrugada dentro ou o acordar quando o sol ainda dorme, olhar deitado o céu de estrelas, sentir este odor a amêndoa misturado com esteva, sal do mar, figos. Só me faz falta o cheiro forte a maresia das praias do Norte; o resto é perfeito. O paraíso deve ser muito parecido com estas redondezas de Tavira. Mas − oh ironia! − o maior prazer leva-me inevitavelmente de volta à profissão, à rotina dos dias de trabalho, ao espaço da Redacção, à tinta que suja as mãos e lava a alma quando procuramos as páginas impressas junto à rotativa. Os jornais perseguem-me e, sem eles, as férias não teriam sabor.

Azar supremo: quiosques não faltam por aqui, repletos de títulos em várias línguas. Tento resistir, prometo que «este ano vai ser diferente», viro-lhes as costas nos primeiros dois, três dias, mas o destino está traçado e acabo com pilhas de jornais “plantadas” pela casa. E na mochila que levo para a praia, pode faltar a toalha, pode faltar o protector e a garrafa de água, mas eles… não. É a modos que uma sina traçada desde sempre, sabe-se lá por quem ­− talvez tenha sido o meu pai, com aquele hábito de levar para casa o “Diário Popular” com as anedotas ao sábado e “O Primeiro de Janeiro” ao domingo com a interminável banda desenhada do Príncipe Perfeito. Deve ter sido aí que tudo começou.
O resto da história conheço-a bem. Os jornais emprestados na mercearia da Rua da Gala, alguns velhos de meses e até anos, que serviam para embrulhar tudo, desde o sal ao feijão, e que eram a alegria dos meus fins-de-tarde, quando voltava da escola. Devolvidos no dia seguinte, davam direito a nova remessa, sabe-se lá de quê, mas o importante era lê-los, fossem desportivos ou não, monárquicos ou salazaristas. Sabia eu lá disso!
Mais tarde, o meu pai fez um acordo que me permitiu passar a ler a actualidade. O ardina tinha banca montada defronte da Igreja de Santa Cruz, eu vinha do liceu, Sá da Bandeira abaixo, comprava-lhe o jornal com o dinheiro poupado da viagem de eléctrico para Cumeada (era apenas meia horita da Baixa até às aulas…). O jornal do dia! E devolvia-o na manhã seguinte, à tarde pegava noutro que já não pagava, repetia-se o combinado, pagava uns, muitos outros não.
O grande problema, nesse tempo, eram as férias grandes. Do 10 de Junho ao 5 de Outubro, fechado para o mundo numa aldeia onde aprendi a conhecer a vida, sentia-me dividido: feliz por ver calçar os bois, nascer a criação, entrar nas descamisadas de emoções mil, regar o milho e ir ao curral dar de comer às cabras e ao porco, apanhar os ovos e os cachos, faltavam-me aquelas folhas de papel que eram a minha alegria nos outros oito meses do ano, sentado na cama do 3.º andar da Rua das Padeiras, a ver as horas na Torre da Universidade, onde só muito mais tarde percebi que trabalham pessoas exactamente iguais às outras.
Ardinas era coisa que não havia em quilómetros em redor. O mais fácil era ir à Ponte da Mucela, às bombas da gasolina, onde todos os dias uma camioneta deixava o rolo com dois “Comércio do Porto”. Mas ainda eram uns 8 ou 9 quilómetros e eu, pequenito, herdara do meu pai a bicicleta roda 26 onde tinha de escolher entre sentar-me no selim ou chegar aos pedais. Ou então ir a Poiares, a uma loja de roupa que vendia jornais e onde havia três vezes por semana “A Bola”. A distância aumentava para uns 15 quilómetros, talvez mais. Também podia ir a Penacova, ao largo onde está o busto de António José de Almeida (que o meu tio me diz agora, 40 anos passados, que «ainda é nosso primo, pelo lado do Lavradio»), tocar à campainha daquela porta, o homem vinha à janela, descia o cesto de verga, gritava-se-lhe o título pretendido, já não me lembro se para o 1.º ou o 2.º andar, depositavam-se as moedas e na volta lá vinha o jornal, dobrado cuidadosamente de modo a caber nas orelhas do cesto, amassado o mínimo possível. Que emoção, esta espécie de castelo do sonho, onde os jornais desciam por uma corda!
Mais tarde, felizmente, as coisas mudaram. A aldeia passou a ter uma carreira diária para Coimbra, a 36 quilómetros e duas horas de distância. Partia da aldeia às 7, regressava meio dia depois. A minha mãe (quanto lhe devo! e não só por isto…) esperava à porta da Estação Nova, a camioneta parava mesmo à frente dos degraus, «às 5 menos 5» e entregava o jornal ao motorista, assim a modos que um despacho de mercadoria sem guia de remessa. Eu tinha de estar à porta de casa por volta das sete, sete e um quarto, a carreira abrandava, o braço do motorista esticava-se pelo janelito e começava a minha alegria. Os amigos já não estranhavam o abandono das brincadeiras no caneiro de Vale da Chã, ainda o sol de Verão não se deixara encobrir pelos robustos pinheiros da encosta, nem a falta de comparência aos jogos de cartas pós-jantar, naquelas segundas e quintas-feiras, dias de “A Bola” e mais um ou outro jornal dos dias anteriores, que a minha mãe juntara no mesmo rolo, atado com linhas de costureira ou metido numa saca de pano, que nesse tempo ainda não havia (haveria?) plástico.
Ao sábado, era diferente. A minha mãe trazia ela própria as novas do mundo. E era dia de bailarico.
(escrito em Julho de 2011)
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura