18.8 C
Coimbra
Domingo, 26 Junho, 2022
InícioDESTAQUEOs jornais de Coimbra e as eleições

Os jornais de Coimbra e as eleições

Publicam-se em Coimbra dois jornais diários e quatro semanários, sendo que dois destes últimos, “O Despertar” e “O Amigo do Povo”, são os mais antigos de todos, encontrando-se ambos no 96.º ano de publicação.
Deixemos estes dois de parte e analisemos – ainda que de forma superficial – a forma como os outros quatro se referiram às eleições autárquicas no concelho de Coimbra.

PRÉ-CAMPANHA
O facto mais significativo foi o debate organizado pelo Diário As Beiras, que juntou os sete candidatos à presidência da Câmara Municipal no auditório do ISCAC, em Bencanta. O espaço revelou-se pequeno para as mais de 500 pessoas que assistiram à troca de argumentos.
Sucesso assinalável para o mais jovem dos diários que se publicam na cidade, que publicou depois desenvolvida reportagem em seis páginas da edição de 7 de Setembro: uma de descrição; três com as propostas em discurso directo dos vários candidatos; e mais duas de reportagem fotográfica [uma moda que praticamente só existe na Imprensa que se publica em Coimbra e que, volta e meia, como é o repetido caso das fotos nos camarotes do Estádio do Calhabé, assume características de verdadeira “praga”].

Diário As Beiras promoveu debate (edição de 7 de Setembro de 2013)
Diário As Beiras promoveu debate
(edição de 7 de Setembro de 2013)

O papel dos jornais, enquanto actores da vida da comunidade, não é apenas o de noticiar acontecimentos, divulgar opiniões. Eles têm, igualmente, o dever de serem agentes dinamizadores da própria sociedade. Com a organização deste debate, o Diário As Beiras assumiu exemplarmente essa função. Nota (muito) positiva, portanto.

No outro prato da balança esteve, neste caso concreto, o Diário de Coimbra, que não publicou uma linha, uma única, sobre a iniciativa do seu concorrente. Nem antes nem depois. Ou seja: quem lê exclusivamente o Diário de Coimbra ainda hoje desconhece que se realizou o debate, inegavelmente o primeiro “momento alto” (talvez, o maior de todos) da campanha eleitoral em Coimbra. Nota (muito) negativa, portanto.

DIA SEGUINTE
Na segunda-feira, os dois jornais diários dedicaram grande espaço às eleições: 15 páginas (em 40) no caso do Diário As Beiras, 20 páginas (em 48) no caso do Diário de Coimbra.
Ambos destacaram na capa a vitória de Manuel Machado em Coimbra e do PS no distrito. «Machado ganha em Coimbra e PS vence em 12 câmaras no distrito», titulou o Diário As Beiras, numa única frase. O Diário de Coimbra optou por dois títulos distintos: «Socialistas arrasam PSD no distrito» e «Manuel Machado recupera Câmara de Coimbra».

Se de uma competição se tratasse, a vitória na segunda-feira pertenceria ao Diário de Coimbra: apesar de não dispor de cor em todas as páginas, ao contrário do concorrente, o Diário de Coimbra apresentou uma informação mais profunda, mais coerentemente organizada, mais facilmente legível e mais agradável em termos estéticos. Triunfo indiscutível.

Segunda-feira, 30 de Setembro de 2013
Segunda-feira, 30 de Setembro de 2013

[A “noite eleitoral” na Redacção de um jornal é dos momentos de maior “stress” – e um “stress” colectivo. São horas de luta constante contra o relógio, contra os atrasos na divulgação dos resultados, contra o esquecimento de introduzir um ou outro dado numérico nos quadros antecipadamente preparados.
A adrenalina corre. Para quem está no jornalismo por paixão (o estádio mais elevado de exercício da profissão, depois do “jornalismo como ocupação” e o “jornalismo como profissão”) trata-se de momentos de muito trabalho, mas também de prazer intenso. Momentos poucas vezes repetidos.]

OS DIAS SEGUINTES
Se há erros que são desculpáveis nas edições do dia seguinte ao acto eleitoral (ia a escrever, erros que são… inevitáveis), dada a pressão do tempo, o mesmo já não se pode dizer das edições seguintes, que devem servir para explicar (enquadrar) o que acabou de suceder.
Na terça-feira, os dois diários dedicaram quatro páginas às “Autárquicas”. Trabalhos muito semelhantes, com uma nota de destaque para o Diário de Coimbra: publicou declarações de Jaime Soares, ex-presidente da Câmara de Poiares, o “dinossauro” do distrito, que viu a autarquia passar para as mãos do PS ao fim de 37 anos.
Uma curiosidade: ambos os jornais “foram almoçar” com o presidente eleito em Coimbra ao “Cantinho dos Reis”, no Terreiro da Erva.
Na quarta-feira, o Diário As Beiras publicou duas páginas na secção “eleições autárquicas 2013” e o Diário de Coimbra já não publicou qualquer “página especial” sobre o tema.

ESTRANHO
Na quarta-feira, não deixava de ser estranho que os jornais diários de Coimbra continuassem sem publicar duas (quase três…) das quatro principais novidades resultantes das eleições de domingo.

[Um dos principais valores-notícia é a novidade, a originalidade. O jornalismo alimenta-se do que é novo, da “primeira vez”, do inédito.]

O resultado das eleições de domingo, no que ao concelho de Coimbra diz respeito, encerra QUATRO novidades:
1. Manuel Machado foi o vencedor das eleições.
2. Pela primeira vez, um grupo de cidadãos elegeu um vereador.
3. Pela primeira vez, o número dos eleitores que não escolheram qualquer candidato foi superior ao dos que escolheram.
4. Manuel Machado é o presidente eleito com MENOS VOTOS desde que há eleições.

A novidade n.º 1 foi noticiada com destaque. A novidade n.º 2 foi noticiada indirectamente. A novidade n.º 3 foi esquecida. A novidade n.º 4 também foi esquecida.
Estranho – eis a palavra que me ocorre para classificar esta situação.

OS SEMANÁRIOS
Hoje, quinta-feira, “Campeão das Províncias” (no 14.º ano de publicação) e “Correio de Coimbra (no 92.º ano de publicação) dedicam espaços diferentes às eleições.

Quinta-feira, 3 de Outubro de 2013
Quinta-feira, 3 de Outubro de 2013

O “Campeão das Províncias” ignora o assunto na capa, mas dedica-lhe integralmente as páginas 2 e 3. Com grande qualidade. Apelando à memória, refere que o PSD conquistou em 2001 tantas Câmaras como o PS venceu agora – 12. Por outro lado, publica a lista nominal dos membros da Assembleia Municipal de Coimbra, algo que os jornais diários se esqueceram de fazer. E analisa os “números”, fazendo algumas referências [que agradeço] a este blogue.
O “Correio de Coimbra”, menos vocacionado para questões de análise política, chama as eleições à 1.ª página e publica dois textos: «Machado volta à Câmara com a menor votação de sempre» [texto da minha autoria] e «Eleições autárquicas: cor de rosa no distrito de Coimbra».
No conjunto, são trabalhos adaptados às características de cada semanário e com a abordagem que se espera de um jornal que é publicado quatro dias depois do acto eleitoral.

COMUNICADO SEM RESPOSTA
Na manhã da sexta-feira anterior às eleições, o movimento Cidadãos Por Coimbra divulgou um comunicado em que critica duramente o Diário de Coimbra. Algo de inédito.
Trata-se de um texto muito violento, porventura a crítica mais cerrada que alguma vez li dirigida a uma publicação de Coimbra.
Fiquei à espera da reacção do jornal. Um comunicado daqueles merece uma resposta. [Escuso-me de justificar neste momento, dada a extensão do texto, as razões que me levam a pensar assim.]
Pelo que me é dado perceber, não houve qualquer reacção do jornal.

Comunicado do movimento Cidadãos Por Coimbra (27 de Setembro de 2013)
Comunicado do movimento Cidadãos Por Coimbra
(27 de Setembro de 2013)

UMA CURIOSIDADE
A “linguagem das notícias” deve ser rigorosa. Sempre. Mas especialmente quando se comentam números. Porque, como escrevi há dias, «o 1 é o 1 e não pode ser o 2».
Neste “recorte” (página 5 da edição de segunda-feira do Diário de Coimbra) veja-se como a palavra «cerca» destrói a realidade. Substituam no texto a expressão «também cerca» pela palavra «mais» e, então sim, a frase estará de acordo com a realidade.

1-recorte-DC

Artigo anteriorDa paixão pelos jornais
Próximo artigoAdeus, minha querida
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura