21.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 12 Agosto, 2022
InícioGERALCarta de um (especial) leitor

Carta de um (especial) leitor

Meu Caro,

Avistámo-nos esta manhã, em Coimbra, para me dares a conhecer a tua obra académica, afinal sobre a imprensa de Coimbra e o nosso Mestre Urbano Duarte. Sei que te valeu um 18 e, por isso, estás de parabéns… Participei com um modesto texto, recordativo e marcante. E quer queiras ou não, esse teu trabalho de compilação estudiosa e de pesquisa, vai perdurar como mais um marco histórico de uma Cidade, de uma Região e de um País que um Urbano de um Pescanseco perdido nos meios da Pampilhosa da Serra teve a amabilidade de descrever num português escorreito, magnífico e, as mais das vezes, sensato, popular, sério, frontal, piedoso e cândido.
Alinhavo aqui… prega acolá, num desalinho de “casas” com assuntos nossos e de uma Coimbra que, como tu, me provoca saudosismos, nostalgias, recordações, apegos, alegrias e desilusões… lá desfiámos o “terço” dos nossos dias de aperto de permanência…
 Urbano-Duarte-condecoração
E, dando caminho ao teu anúncio deste blogue, abreviei o tempo para o pesquisar e me situar no seu âmago.
Bendita a tua predisposição para continuares a denunciar jogos e jogadas, fintas e passes, imprecisões e embustes, baralhos e cartadas, peões e mascotes, poderosos e barões, alfinetadas e agulheiros, eloquentes e displicentes, covardes e caciques, vendedores e vendilhões, pobres e esfomeados, compadres e comparsas, muletas e amuletos, sapateiros e alcoviteiros, safados e espertalhões, politiqueiros e feiticeiros, padrinhos e afilhados, simpatizantes e filiados, medíocres e aprendizes, maçons e assalariados, mosqueteiros e senhores feudais e tanta outra gente que, nestas últimas três décadas, se tem servido da nossa pobre Coimbra e da nossa amarrotada Pátria. Saberás, por ventura, dizer-me para onde caminha a nossa Cidade que volta a ter o mesmo “pastor” que já lhe deu “cajado” 12 anos atrás ? Saberás, e por ventura, esclarecer-me  para onde poderemos ir sem sermos espezinhados por essa gentalha da nossa governação que nos escraviza e nos mastiga sem piedade e sem dó ?
Falta-nos gente com sabores a Urbano; falta-nos gente com coragem, como ele, para nos ensinar a reflectir; falta-nos gente, como ele, que não deixava que a canga o fizesse dobrar; falta-nos gente, como ele, para denunciar sem temores; falta-nos gente, como ele, com fé, vontades, palavra, sensatez, honradez, seriedade, objectividade, verdade, missão, espírito e lucidez… para conseguirmos apear vendilhões de um tempo, de um País, de uma Cidade e de uma Cidadania…
E, apesar de tanta “guerra” que soubeste conquistar, enquanto arauto da liberdade e da verdade e, também, de tanto safado que, inquietado com as tuas palavras, não as soube encaixar, ainda reúnes talento e vontade para, desta tua “varanda” de verdades, deixares recados e luz sobre temas que precisam de palavras desafrontadas de maquinações de turmas de uns Pilatos que só sabem “lavar” mãos sem cuidarem de aprender a “lavar” pés…
Sabes, Mário, apetece-me viajar no tempo para alcançar tempos de paz, de alegrias, de sensatez, de felicidade e de luz que nos permitam doarmo-nos aos outros que acabam por ser menos gente, menos Homens, menos Cidadãos, menos portugueses e menos tudo…
Parabéns por este blogue que nos obriga a pensar, a reflectir, a ler e renegar uma recta final sem glória e sem participação.
Estarei atento para festejar e para, se for caso disso, deixar a minha inquietante mas “inválida” opinião…
Para a frente e sê arauto da liberdade e da “urbanidade”…
António B. Martins
(4/10/2013)

 

(NOTA: O António foi colega de Liceu, começámos praticamente ao mesmo tempo a escrever no “Correio de Coimbra”, fundámos o Clube da Comunicação Social de Coimbra em meados da década de 80. As “esquinas da vida”, depois, separaram-nos durante bons 20 anos. Reencontrámo-nos agora, no início de 2013, por “culpa” de Urbano Duarte.)

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura