19.1 C
Coimbra
Domingo, 5 Fevereiro, 2023
InícioGERALUm texto que fala de mim (aos 18 anos)

Um texto que fala de mim (aos 18 anos)

Tinha 18 anos em Janeiro de 1975.

Estava matriculado na Faculdade de Direito, mas a Universidade fechara em Outubro as portas aos novos alunos. O Governo mandou-nos fazer “serviço cívico”. [Nunca me chamaram para nada e, no final do ano lectivo, passaram-me uma declaração/justificação que referia que não tinha realizado serviço cívico por deficiência dos serviços.]

Sem aulas, aproveitei o tempo de outro modo.

Trabalhei no “Centro Desportivo”, no “Correio de Coimbra”, na “Presença Coimbrã” e… era árbitro de futebol.

No início de 1975 fui surpreendido por um texto de Urbano Duarte, publicado como sempre na primeira página do “Correio de Coimbra” , sobre mim próprio.

É um dos momentos marcantes da minha vida.

Ler um texto destes, aos 18 anos, faz bem. Muito bem. Sobretudo quando se vive uma situação pós-revolucionária. [Como costumo afirmar, na brincadeira, naquele momento senti ter mais de 2 metros de altura.]

É este texto que hoje partilho no blogue.

Com orgulho, naturalmente.

Estudante com canastra de pão

Desde hoje aumentou a minha admiração por um estudante que é colaborador do nosso “Correio”. De família modesta – mãe com distribuição de pão e pai contínuo de escola – nunca se envergonhou dos seus.

Aluno exemplar, consciente de que pelo estudo, teria mais oportunidades que os pais para singrar na vida, sempre mereceu notas cimeiras e dispensa de exames.

Com pendor pelo jornalismo, aplica os tempos livres, com uma assiduidade de veterano, à redacção de crónicas desportivas.

Concluído o curso liceal, as maiores esperanças batiam à porta da Universidade que, este ano, como para vinte e oito mil, não se lhe abriu. Abatimento por isso? Não. Ama o trabalho. Todos os triunfos lhe têm vindo do trabalho. Com tais remos, olha foito para qualquer maré.

Há dias, porque o pai adoecera, e não podia valer à mulher como de costume, não sentiu a mínima relutância em substituí-lo na distribuição do pão. Às cinco da manhã, de canastra ao ombro, ei-lo Couraça acima, de porta em porta e galgando as escadas dos fregueses.

Ao café, nunca o pão lhe soubera como desta vez. Sem ares de desgraça. Com o orgulho de não ser parasita. Com a alegria de aguentar o orçamento familiar. Como alguém que se habituou a ir para os locais de estudo como aqueles que se dirigem para os locais de trabalho. Com a mesma naturalidade do filho que, em passeio ou doença, dá o braço ao braço do pai.

Por isso escrevi na primeira linha: aumentou a minha admiração. Com gente desta ganham valor as palavras dos estudantes em favor dos trabalhadores. Mas em boca de quem só queima tempo e dinheiro, as palavras mais parecem escárnio que defesa.

URBANO DUARTE

 

(Publicado no “Correio de Coimbra”  em 9 de Janeiro de 1975. Texto incluído no 2.º volume da obra “Urbano Duarte”, de Manuel de Almeida Trindade, e no meu próprio trabalho de mestrado, que aborda os “Sintomas” de Urbano Duarte no período 1971-1980.)

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura