13.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 20 Maio, 2022
InícioGERALAventura na Secretaria-Geral da Universidade

Aventura na Secretaria-Geral da Universidade

Terminado o mestrado, quis obter o respectivo Diploma e uma certidão da Acta do Júri. Tentei pedir os documentos no sítio dos Serviços Académicos na internet, mas a “Acta” não consta das opções disponíveis.
POR TELEFONE E POR E-MAIL
No dia 23 de Setembro, contactei telefonicamente os serviços e fui informado de que deveria enviar uma mensagem de correio electrónico a solicitar a emissão dos referidos documentos. Como resposta receberia um formulário para preencher e uma referência multibanco para efectuar o respectivo pagamento.
Foi o que fiz no dia seguinte: «Solicito informação de como obter os seguintes documentos:
– diploma de conclusão de mestrado
– cópia da acta do júri das provas de mestrado.
Informo que as provas, em Comunicação e Jornalismo, decorreram no passado dia 12 de Setembro. Mais informo que se trata de um mestrado pré-Bolonha.»
No dia 9 de Outubro, como continuava sem receber qualquer resposta, enviei nova mensagem: «Recordo o pedido de informação efectuado há 15 dias. Se bem que não se trate de algo muito urgente, creio ser razoável ter resposta em duas semanas.».
Continuei sem resposta. Até ontem, 23 dias depois da primeira mensagem.
Os sucessivos talões de estacionamento
Os sucessivos talões de estacionamento
PRESENCIALMENTE
Ontem decidi ir pessoalmente à Secretaria-Geral. Pensei que seria um “dia bom”, porque já decorria a “Recepção ao Caloiro” e, portanto, haveria poucos estudantes.
Lá fui.
Cheguei às 9h30, tirei a senha número 37.
E foi assim, como fui relatando no Facebook…
10h09. Das seis posições de atendimento apenas três estão a funcionar. As duas posições de Tesouraria estão a funcionar, mas estão sem interessados. À espera cerca de 50 pessoas.
10h12. Foi chamado o número 8. O número 12 está a ser atendido porque é um caso de doutoramento.
[Dizem-me que um “senhor professor”, se for tratar do assunto de um filho, também terá prioridade no atendimento. Não apareceu nenhum. Felizmente?…]
10h15. Chamado o 10. Sistema é oral. Quanto às senhas, o sistema é igual ao das secções de peixe dos supermercados.
[A máquina de separação de assuntos está avariada. O quadro electrónico está avariado. De vez em quando, uma funcionária levanta-se e vem ao “hall” perguntar «Está alguém de doutoramento?…». Privilégios…]
10h25. Quinta posição de atendimento prepara-se para começar. [Afinal, tratou-se de “alarme falso”…] Vou sair. Tenho de ir à Couraça de Lisboa colocar mais 50 cêntimos na máquina de estacionamento. Meus só serão 30 cêntimos, porque a máquina do café enganou-se no troco e deu-me 20 cêntimos a mais.
10h40. Regresso. O estacionamento está pago até às 11h31. Chamam o número 16.
10h45. Os números 12 e 47 foram atendidos primeiro. São (outros) casos de doutoramento. Pais a tratar de assuntos de filhos. O 12 tinha chegado às 7h30; a filha está numa empresa e não poderia deslocar-se. O 47 só veio entregar um documento relativo à bolsa atribuída ao filho, a fazer doutoramento em Lisboa mas professor, segundo percebi, em Coimbra.
10h50. Leio o “Diário Económico”, grátis, apesar do jornal ter impresso o preço: 1,60 euros. Estavam uns 10 exemplares em cima da mesa, agora estão lá dois, um deles já meio amassado.
11h10. Chamam o 26. Há quatro posições de atendimento a funcionar.
11h15. O dispensador de senhas tem à vista o 72.
11h20. Assalta-me uma dúvida: terei de voltar ao parquímetro? Faltam 11 minutos. Está a ser atendido o número 31.
11h22. Volta a passar à frente um candidato de doutoramento. [A minha interlocutora de conversa de ocasião, a 38, também acaba de ser atendida. Era igualmente um assunto relacionado com doutoramento.]
11h30. Tudo na mesma…
11h35. É chamado o 33.
12h00. Voltei ao parquímetro da Couraça de Lisboa; mais 30 cêntimos… Entretanto, o 34 e o 35 não apareceram e o 36 (que tinha três senhas na mão) foi chamado. Às 11h42 chamaram o 37. Eu. Disse ao que ia, preenchi um impresso, paguei 25 euros por duas certidões e… pedi para ir ao parquímetro enquanto tratavam dos documentos. Estou agora a regressar da Couraça e a reentrar na Secretaria-Geral.
12h12. Já vi os meus documentos. Vão levar o selo branco. Chamam o 42. O dispensador de senhas mostra o 92.
12h14. Tenho os documentos. Inicio o caminho de regresso ao automóvel, estacionado na Couraça de Lisboa, porque a rua onde se situam os Serviços Académicos é interdita a não-residentes na zona.
SIMPATIA E… OUTRO E-MAIL
Fui atendido com profissionalismo e, até, simpatia. O pedido da Acta do Júri não é vulgar, porque obrigou a esclarecimentos. Mas enquanto fui à Couraça pagar mais 40 minutos de estacionamento, o assunto foi tratado.
Às 15h00, três da tarde em ponto, recebo um e-mail dos Serviços Académicos: «O seu pedido foi considerado Concluído por uma ou mais das seguintes situações: 1) A questão/problema colocado foi considerado respondido. 2)  O serviço foi considerado concluído. 3) A sua mensagem não está relacionada com a Gestão Académica e portanto, será reencaminhada para outro canal de informação da Universidade».
Respondi horas mais tarde da seguinte forma: «Muito obrigado pela mensagem. Informo que o meu pedido foi concluído porque, depois de 23 dias sem receber qualquer resposta desses Serviços, me desloquei à Secretaria-Geral e – após cerca de duas horas e meia de espera – tratei pessoalmente do assunto.»
E… chegou assim ao fim mais uma aventura nos serviços da Universidade de Coimbra, em Portugal – Europa, no ano da graça de 2013 – século XXI.
Foi a quinta aventura, no espaço de um ano.

Nada mau.

Acta que eu queria ter (excerto)
Acta que eu queria ter (excerto)
Artigo anteriorPensamentos de Verão/Outono
Próximo artigoBlogue, mês 1
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura