17.7 C
Coimbra
Domingo, 5 Fevereiro, 2023
InícioGERALAs várias tentativas de "ressuscitar" José Sócrates

As várias tentativas de “ressuscitar” José Sócrates

Primeiro, foi a RTP, com “A opinião de José Sócrates”, um programa apresentado como forma do canal público recuperar audiências.

Fiasco! O programa nunca teve audiência significativa. Os últimos dados que encontrei, referentes à emissão de 28 de Julho, colocavam-no no 15.º lugar, com 446.500 espectadores.
[Para se poder avaliar melhor o impacto do programa, vejam-se as três maiores audiências desse dia: Dança com as estrelas (TVI), 1.529.500 espectadores; Cante se puder (SIC), 1.510.500; Jornal das 8 (TVI), 1.187.500.]
No sábado, o “Expresso” publicou uma grande entrevista com o ex-primeiro-ministro. Comprei o jornal, como sempre. Mas, pela primeira vez, ainda está no saco de plástico e, neste momento, penso seriamente se valerá a pena comprar o jornal depois de amanhã, porque ainda tenho o da semana passada para ler…

Ontem, decorreu a cerimónia de apresentação de um livro, onde foi – ERRADAMENTE – referido que José Sócrates frequentou a Universidade de Coimbra. Não frequentou.

 

Texto do "Libération" há (apenas) três anos e meio
Texto do “Libération” há (apenas) três anos e meio

Um dos principais problemas do presente é a falta de memória. Os acontecimentos sucedem-se a ritmo veloz e os momentos de reflexão são cada vez mais raros.

Por isso, decidi recordar aqui um texto que o jornal francês “Libération” (insuspeito de tendências direitistas), publicou em 18 de Março de 2010, quando José Sócrates ainda era primeiro-ministro.
Começa assim: «Nada agora corre bem ao primeiro-ministro socialista, cujo nome está associado a casos de corrupção, no meio de uma grande crise económica.»
O texto pode ser ler lido aqui:
(Se não dominar o francês, peça ajuda ao tradutor do Google…)

Sobre a entrevista ao Expresso, os comentários de três blogues muito conhecidos:

Não sei se irei ler (ou não) a entrevista que repousa no saco de plástico do “Expresso”.
Mas guardo boa memória da governação de Sócrates. Como afirma Maria Filomena Mónica, «acho que não há nenhum governante pior do que Sócrates. Nunca ninguém desceu tão baixo».

Daí que esteja convencido que a “ressurreição” de José Sócrates é impossível. Mas nunca fiando…

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura