13.9 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioJORNALISMODiário de Coimbra e Diário As Beiras: irmãos gémeos

Diário de Coimbra e Diário As Beiras: irmãos gémeos

Há dois diários em Coimbra: o Diário de Coimbra, com 83 anos de existência, e o Diário As Beiras, com 19. O aparecimento deste último, em Março de 1994, foi uma “lufada de ar fresco”, acabando com o “monopólio informativo” do primeiro. E provocou diversas alterações no modo de fazer e de apresentar a informação aos conimbricenses.

Hoje, quase duas décadas depois, a situação é paradoxal: os dois jornais parecem fotocópias um do outro. A concorrência, afinal, produziu… dois “gémeos”. As notícias são praticamente as mesmas, o ângulo de abordagem é semelhante, a proximidade aos diversos poderes é constante num e noutro.

[O tema merece ser abordado com maior profundidade. É um autêntico “caso de estudo”. Mas o leitor comum apercebe-se facilmente das semelhanças existentes entre um e outro jornal. «Saltam à vista!», como diz o povo. E chegam a assumir contornos ridículos, como é o caso que hoje analiso. Reflexões mais profundas, creio, não cabem no âmbito de um mero blogue.]

As posses autárquicas em Coimbra. Muito parecidas, quase iguais...
As posses autárquicas em Coimbra. Muito parecidas, quase iguais…

A cobertura das recentes tomadas de posse das diferentes câmaras municipais da região veio provar, mais uma vez, que Diário de Coimbra e Diário As Beiras não passam de “fotocópias” um do outro. As diferenças são mínimas.

Ambos decidiram apresentar os executivos municipais, os vereadores, da mesma forma. E mal, como se verá já a seguir.

Empenhados ambos num jornalismo sem textura, em que o importante é a “espuma dos dias”, os dois jornais optaram por publicar as fotos dos autarcas, apenas com os nomes e os partidos que representam. É interessante, mas pouco acrescenta aos leitores. Não passa – desculpe-se a comparação – de um conjunto de cromos, como existiam nas colecções de quando eu era criança. Há 50 anos.

A informação oferecida ao leitor é a mínima possível. Nem a idade, nem a profissão, nem o facto de se tratar de uma reeleição, por exemplo, constaram nas páginas dos dois jornais. (E esse tipo de informação já consta hoje das colecções de cromos de futebolistas, por exemplo.)

Mais iguais não poderiam ser: rosto, nome e partido. Só...
Mais iguais não poderiam ser: rosto, nome e partido. Só…

Mas a pobreza foi maior.

Nenhum dos jornais se lembrou de, na ocasião, recordar os resultados eleitorais em cada concelho (agora já números oficiais, finais), de caracterizar minimamente cada município (área, número de habitantes, eleitores, posição no “ranking” da qualidade de vida, número de beneficiários de apoios sociais do Estado, etc., etc.).

E isto poderia ser feito em pequenos quadros, sem ocupar grande espaço, mas aumentando consideravelmente o interesse informativo. Mas não: os jornais ficaram-se pelos rostos dos vereadores.

Mas a pobreza foi ainda bem maior.

As assembleias municipais, onde têm lugar os presidentes das juntas de freguesia, foram esquecidas. Nem listas nominais, nem sequer uma referência numérica à composição de cada assembleia. Nada, a não ser o rosto do presidente do plenário concelhio.

Espantam-se os jornais por estarem em crise.

Como se já não bastassem as dificuldades económicas de grande parte da população, o “apetite” pelas novas tecnologias e pelas novas formas de “consumir informação”, a concorrência dos meios audiovisuais (com a televisão, hoje e sempre, à cabeça), como se já não bastassem todas estas dificuldades, os jornais ainda dão – continuam a dar – autênticos “tiros nos pés”, produzindo edições que, cada vez mais, interessam a cada vez menor número de pessoas. E isto sucede em áreas informativas onde não têm a concorrência dos outros meios, pelo que é mais estranho ainda que não aproveitem estas oportunidades para fidelizar e captar leitores. (Não, ainda acabam é por perder alguns dos que têm, que não se revêem neste tipo de escolhas editoriais.)

Lamentavelmente, em Coimbra, os dois diários copiam-se um ao outro e fazem-no da pior forma possível. Apostaram, neste caso concreto, num “jornalismo tipo-passe”. Ou seja, publicando imagens, imagens e imagens, sem mais informação do que… um rosto e um nome.

Mas há outros exemplos deste “jornalismo de proximidade” a que Coimbra está condenada neste momento. Até um dia…

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura