17.7 C
Coimbra
Domingo, 5 Fevereiro, 2023
InícioMMMachado aumenta vereadores em 40%

Machado aumenta vereadores em 40%

 

Promessa eleitoral de Manuel Machado
Promessa eleitoral de Manuel Machado

À primeira vista, parece inacreditável.
Com o país à beira da bancarrota (sem saber se vai existir 2.º resgate ou programa cautelar de assistência financeira), o Estado continua a gastar o que tem e o que não tem. Sacrifícios?… Isso é coisa apenas do “Zé”, que não afecta o “país político” .
Os exemplos são vários. O último está fresquinho e tem origem em Coimbra.
O novo presidente da Câmara Municipal apresentou uma proposta, aprovada na reunião de ontem, que aumenta o número de vereadores com pelouros (logo, a receberem dinheiro dos cofres da autarquia) de cinco para sete.
[Referem os jornais que serão vereadores a tempo inteiro, esquecendo-se de informar os leitores de quanto significa, em termos de dinheiro gasto, tal decisão.]
Numa Câmara em que os vereadores têm automóvel, e motorista, para se deslocaram de casa para o emprego (regalia que primeiros-ministros europeus não têm!), começam assim a agravar-se os sintomas de despesismo. Numa altura em que a generalidade da população vive a mais grave crise de décadas, repita-se.
Ironicamente, poder-se-ia escrever que Manuel Machado começou a cumprir uma das suas promessas: “Mais emprego”. E acrescente-se que começou com vigor: alargar o número de vereadores com pelouro de cinco para sete é um aumento de 40%. É obra!
Termino como comecei: parece inacreditável.
Em tempo – A Câmara de Condeixa, também liderada por um socialista, decidiu igualmente alargar o número de vereadores a tempo inteiro de três para quatro, o que no caso significa um aumento de 33%.
Sobre este assunto, os vereadores do PSD tomaram a seguinte posição:
http://re-visto.com/posicao-dos-vereadores-do-psd-sobre-a-nomeacao-do-vice-presidente-e-sobre-a-fixacao-de-3-vereadores-a-tempo-inteiro-na-camara-municipal-de-condeixa/
[Actualizado em 29/10/2013]
ESCLARECIMENTO
Há comentários, anónimos, que estão bloqueados e não serão publicados. Repito o que já aqui escrevi: eu dou a cara, quem quiser comentar deve fazer o mesmo. É o mínimo que se exige. (E quem não gostar deste princípio tem muita Internet por onde navegar…)
De qualquer modo, estão publicados alguns comentários sem identificação, porque não são agressivos (nem mal-educados) ou ajudam a entender o “estado de espírito” da comunidade – os que gostam e os que não gostam daquilo que escrevo.
Eis um deles: «Mário, compreendo que esteja revoltado com a vida neste momento, eu também estou! mas considero-o um profissional e esses números de 40% em vez de “aumenta 2” é claramente revista cor-de-rosa! Ainda para mais fique a saber que esses vereadores extra não são socialistas! Mais ainda, que esses custos extra que fala provavlmente não acontecerão!»
Este comentário permite-me esclarecer duas situações:
1. Eu não estou revoltado com a vida, nem com ninguém. Continuo a ser a mesma pessoa. Estou desempregado, é certo. Mas nestes nove meses concluí um mestrado pré-Bolonha (o trabalho tem 310 páginas) e lancei este blogue. Não me parece mal… E há ideias na cabeça e projectos que talvez venham à luz do dia. É verdade: continuo à procura de trabalho, apesar de ter direito a subsídio de desemprego até… 2016. [E quem sabe quem cá estará nessa altura…]
2. O aumento do número de vereadores com pelouros de cinco para sete é um aumento de 40 por cento. Eu não tive nada a ver com a decisão, como é lógico. Limito-me a saber um bocadito de Matemática. Apenas isso.
[publicado como comentário em 30/10/2013]
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura