18.8 C
Coimbra
Domingo, 26 Junho, 2022
InícioJORNALISMO“Um dia com o presidente da Câmara”

“Um dia com o presidente da Câmara”

A reportagem prometida [edição de sexta-feira]
A reportagem prometida [edição de sexta-feira]
Na sexta-feira passada, o Diário As Beiras anunciou que na edição seguinte publicaria uma reportagem intitulada “Um dia com o presidente da Câmara de Coimbra”. Fê-lo ao alto da primeira página, a toda a largura.
No entanto, no sábado, o texto e as fotos que o jornal ofereceu aos leitores abarcavam apenas a actividade do presidente da autarquia no período compreendido entre as 8h00 e as 12h30.
Ou seja: o prometido não correspondeu ao cumprido.
A reportagem... falhada [edição de sábado]
A reportagem… falhada [edição de sábado]
Esta situação permite algumas reflexões no âmbito exclusivamente jornalístico.
1. O jornal teve uma boa ideia: acompanhar o novo presidente da Câmara durante um dia de actividade.
2. Sou a favor de anunciar de véspera algo de relevante que se vai publicar no dia seguinte, porque essa estratégia permite captar leitores, designadamente aqueles que não lêem o jornal todos os dias – aqueles que poderíamos designar por “leitores flutuantes”, que lêem uns dias, outros não.
3. Depois de ter anunciado “Um dia com…” (título que repete no próprio dia da publicação da reportagem), e de não ter publicado aquilo a que se propunha, o jornal passa a dever uma explicação aos leitores. “Um dia com…” não é, logicamente, o período das 8h00 às 12h30.
4. Essa explicação não foi dada. E aquilo que tinha sido uma boa ideia, uma estratégia para captar leitores, transformou-se numa má decisão, que logicamente pode provocar descontentamento em quem compra o jornal.
5. Na mesma edição de sábado, em que dá a conhecer a actividade do autarca entre as 8h00 e as 12h30, o jornal anuncia o seguinte: “reportagem alargada e fotogaleria em www.asbeiras.pt.”. Ou seja, transfere a reportagem do papel para o espaço virtual, seguindo a mesma filosofia de outros órgãos de comunicação. O que é um erro: o leitor que tem o jornal nas mãos, que comprou o jornal, não gosta que lhe digam «Agora vai ler (e ver) o resto à Internet».
6. No entanto, horas mais tarde, e se tiver aceso à Internet numa tarde de sábado [a taxa da população portuguesa adulta que acede à Internet rondará, neste momento, os 45% a 50%], o leitor verificará que a sugestão de pouco vale: não há nem mais uma foto do que aquelas que são publicadas na edição em papel; quanto ao texto, há apenas mais três parágrafos, que reproduzo no final deste comentário. (*)
Em resumo: o que poderia ter sido um “furo jornalístico” acabou por revelar-se, praticamente, um fiasco. E com custos para a imagem do jornal junto dos leitores. Ressalvando a comparação, aquilo que jornalisticamente poderia ter sido “um tiro no porta-aviões”, acabou por ser um… “tiro na água”.
E isto aconteceu porque o Diário As Beiras esqueceu uma “regra de ouro” do Jornalismo, que não deverá estar escrita em qualquer manual mas que todos os profissionais com experiência conhecem bem: só se deve anunciar aquilo que já está garantido.
"Um dia com..." não se pode resumir ao período das 8h00 às 12h30
“Um dia com…” não se pode resumir
ao período das 8h00 às 12h30
(*) TEXTO QUE NÃO FOI PUBLICADO NA EDIÇÃO EM PAPEL MAS QUE ESTÁ DISPONÍVEL ON-LINE
Por fim, há tempo para chamar a responsável pelo apoio às freguesias e dizer-lhe que este serviço vai ficar na dependência dodepartamento de obras e gestão de infraestruturas municipais. “Eu não gosto e não quero tutelas difusas”, remata Manuel Machado.

Almoço no Cantinho do Reis
Já passa das 13H30. Hora de almoço que, para não variar, vai ser no Cantinho do Reis. Com Manuel Machado seguem para o Terreiro da Erva os vereadores Carlos Cidade e Carina Gomes, o chefe de gabinete Nuno Mateus, a secretária do gabinete Zara Ilieva, o assessor de imprensa e a motorista.
O restaurante está cheio mas José Reis resolve o problema num ápice. E, enquanto se avia a travessa de petinga e a panela de sopa da pedra, há ainda tempo para lembrar alguns compromissos da campanha eleitoral. Há, todavia, um deles – plantar três árvores por cada voto acima dos 30 mil – que a vontade popular descartou. “Não faz mal, vou cumprir na mesma”, garante Machado, que quer lançar uma campanha de plantação de 1.500 árvores, mas com um detalhe: em vez das que abundam na cidade e que libertam pólenes, causando muitas alergias, vai apostar em espécies diferentes, como por exemplo o sobreiro e o azevinho.
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura