21.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 12 Agosto, 2022
InícioGERALMorte no estádio

Morte no estádio

web-web-Morte-de-jovem-composição

Um jovem que certamente sonhava vir a ser “craque” no futebol morreu ontem à tarde em Touriz em pleno jogo. Contava 20 anos. Uma tragédia.

Natural de Esposende, jogara no Rio Ave e no FC Porto, onde foi “capitão” da equipa campeã nacional de juvenis (sub-17) em 2009-2010. A passagem por Touriz era uma etapa na formação como profissional de futebol, à semelhança de tantos outros jovens com o mesmo sonho.

Das razões da morte se ocupará a Medicina.

A tragédia de ontem, mais uma em recintos de futebol…, permite porém reflectir sobre a prática desportiva – e sobre uma educação para o desporto que praticamente não existe em Portugal.

Ideia fundamental: o desporto não dá saúde e, muitas vezes, nem sequer faz bem à saúde. Desde há muito que tenho esta noção bem presente, sobretudo depois de um dia ouvir o Prof. Manuel Sérgio, vulto maior da cultura desportiva portuguesa, afirmar algo como isto: «Se o desporto dá saúde, então fechem-se os hospitais e construam-se pavilhões desportivos».

A prática desportiva de alto rendimento comporta muitos riscos.

E alto rendimento não é, apenas, praticar desporto em campeonatos mundiais ou em Jogos Olímpicos. Alto rendimento pode ser aquele nosso filho, ou o nosso vizinho, que treina quatro (ou até cinco) vezes por semana e participa em competições ao fim-de-semana.

O “efeito Figo”, agora ampliado pelo “efeito Cristiano Ronaldo”, leva muitos pais e mães a desejar ter um filho “craque da bola”. É um desejo legítimo.

No entanto, ao mesmo tempo, não conhecem os riscos que a prática desportiva comporta e “esquecem-se” de lutar por um acompanhamento médico adequado às exigências da competição – a nível da alimentação, dos tempos de repouso, dos cuidados dispensados por cardiologistas, fisioterapeutas e massagistas. Para além, claro, da necessidade de um enquadramento técnico de qualidade.

Praticar desporto não é tão simples como correr atrás de uma bola, contra um cronómetro ou tentar derrubar um adversário no tapete da competição. É muito mais do que isso.

Ainda não se conhecem as causas da morte do jovem futebolista, mas a tragédia de Touriz pode ser momento de partida para uma reflexão sobre a prática desportiva e a forma como para ela olhamos. Sobretudo aqueles que, tal como eu, têm um filho apaixonado pelo desporto.

Descansa em paz, Alex.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura