19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioJORNALISMOJoaquim Cardozo Duarte (1941-2013)

Joaquim Cardozo Duarte (1941-2013)

web-rosto-Cardozo-Duarte

JOAQUIM CARDOZO DUARTE (Condeixa, 1941 – ), padre desde 1965, licenciado em Filosofia pela Universidade de Coimbra em 1977, assume as funções de director do jornal em Julho de 1978, onde exerce na altura o cargo de chefe de redacção, no qual substituíra o também padre, e artista plástico, Augusto Nunes Pereira. Joaquim Cardozo Duarte  é responsável por algumas alterações a nível do grafismo do semanário e também do “modelo de funcionamento”, destacando-se as “reuniões da Redacção”, uma espécie de plenário dos colaboradores do jornal em que – entre outros assuntos – é debatido o tema de cada Editorial. Abandona o cargo em Novembro de 1983, quando é chamado a exercer funções em Lisboa – no Secretariado Nacional das Comunicações Sociais (organismo da Igreja Católica) e na Universidade Católica Portuguesa, onde acaba por se doutorar (magna com laude) em Filosofia no ano 2000.

[referência biográfica na dissertação de mestrado “Sintomas de Urbano Duarte”, apresentada em Setembro último]

 

 

Chego a casa, abro a caixa do correio e… arrepio-me.

Na primeira página do (também “meu”) “Correio de Coimbra” a notícia da morte de Joaquim Cardozo Duarte, um amigo, que foi chefe de Redacção e director do semanário diocesano na altura em que, há 40 anos, dei os primeiros passos no jornalismo.

Foi um forte murro no estômago.

Morreu um amigo e não soube a tempo de estar no funeral.

(excerto do texto publicado ontem, ao princípio da noite, no Facebook)

 

 

O “dr. Cardozo”, como o tratávamos no “Correio de Coimbra” chegou ao jornal em finais de 1975, substituindo o padre Nunes Pereira na chefia da Redacção. Três anos depois assumiu a direcção do jornal, na sequência da renúncia de Urbano Duarte. Foi o sétimo director da história do “Correio”.

Chegou e mudou algumas coisas em termos de funcionamento, a mais importante das quais foi o promover semanalmente uma reunião dos colaboradores do jornal, para avaliar o trabalho realizado, programar as próximas semanas e, sobretudo, decidir sobre o tema do “Editorial” da edição seguinte. Todos participavam no debate, votava-se o assunto a abordar e ele, Joaquim Cardozo Duarte, redigia depois o texto. Uma novidade absoluta, em termos de organização interna do semanário.

Promoveu também a mudança do grafismo do jornal, chamando a colaborar nessa tarefa Franklin Carvalho, na altura estudante de Filosofia, área em que Cardozo Duarte se licenciou nesse tempo na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Nesses anos 70, já padre, Cardozo Duarte jogou futebol no Clube de Condeixa. Era o “capitão” de equipa. Nunca o vi jogar, mas colegas de arbitragem (onde andei entre 1974 e 1980) contaram-me que era um jogador fogoso, que discutia por vezes as decisões. Mas todos se referiam ao padre-futebolista com notório respeito.

Em meados de 1978, quando terminei o curso do Magistério Primário, o “dr. Cardozo” nomeou-me coordenador da Redacção do jornal. Anos mais tarde, muitos anos mais tarde, vim a descobrir que tinha sido… chefe de Redacção sem o saber. O meu nome nunca apareceu nessa qualidade no cabeçalho do jornal, nem sequer na “ficha técnica” do jornal. No entanto, no texto de despedida das funções do jornal, em 1983, Cardozo Duarte agradece ao chefes de Redacção com quem tinha trabalhado e… refere o meu nome.

[Situação semelhante aconteceu-me há dois anos, na última passagem pelo “Diário de Coimbra”. Só ao fim de quatro meses a trabalhar no jornal é que soube que era chefe de Redacção adjunto. A situação repetiu-se, assim, 33 anos depois.]

web-Cardozo-Duarte-casamentoNo meu casamento (1980)

O relacionamento com o padre Cardozo Duarte teve outros momentos significativos. Em 1980 foi um dos sacerdotes que estiveram presentes no meu casamento, em Castanheira de Pera. Em 1993 convidou-me para representar Portugal na “Universidade de Verão” da União Católica Internacional da Imprensa, naquela que acabou por ser a maior “reportagem” da minha vida, durante 31 dias, entre Berlim Oriental e Kiev, que resultou num trabalho publicado na “Notícias Magazine” na véspera do Natal desse ano, intitulado “As ruínas do comunismo”. Agora, em finais do ano passado, retomámos o contacto, a propósito do meu trabalho de mestrado, que incide na história do “Correio de Coimbra” e nas crónicas (os “Sintomas”) de Urbano Duarte. Falámos ao telefone algumas vezes, trocámos correspondência.

A última vez que o ouvi foi em meados de Outubro. Ligou-me para dar os parabéns pelo mestrado e terminou com uma recomendação, quase ordem: «Olha que eu quero ler o trabalho!». Respondi: «Ando a ver o modo de o editar. Mas esteja descansado. Logo que houver livro, um será seu!».

Eis uma promessa que, infelizmente, já não poderei cumprir.

Descanse em paz, Amigo.

web-web-testemunho-parcialInício do testemunho para a dissertação de mestrado (2013)

web-Cartão-de-Cardozo-DuarteCartão que acompanhou as quatro folhas A4 (2013)

web-notícia-Cardozo-Duarte-morteNotícia no “Correio” (2013)

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura