19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioGERALAproveitar o lado bom do capitalismo

Aproveitar o lado bom do capitalismo

web-Ryanair-e-Continente

Sou a favor de uma sociedade de concorrência. E a liberdade individual é um valor inquestionável. Na velha dicotomia Esquerda/Direita, que comecei a conhecer nas “conversas de intervalo” no Liceu D. João III, ainda antes do “25 de Abril”, nunca tive dúvidas: sou de Direita.

No entanto, nunca adorei os “deuses do mercado” e sempre me conheci com uma consciência social fundada na Doutrina Social da Igreja Católica. Uma sociedade humana (entre animais irracionais, porventura, será diferente) só faz sentido se olhar para todos os seus membros com olhos de dignidade. Certamente por isso, tenho dedicado muito tempo, desde miúdo, a actividades que nada me trazem de proveito pessoal, mas têm alguma importância em termos de comunidade. Fui dirigente do Sindicato dos Professores da Zona Centro, membro do Conselho Geral do Sindicato dos Jornalistas, fundador do Clube da Comunicação Social de Coimbra, fundador da Academia Olímpica de Portugal, dirigente da Associação de Jornalistas de Desporto, dirigente durante 20 anos da ACM – Coimbra, membro do primeiro Conselho Desportivo Municipal de Coimbra, dirigente da Associação de Futebol de Coimbra, membro da Comissão Diocesana de Comunicação Social, etc., etc.

Em todos estes cargos nunca recebi um cêntimo. Só contribuí – em tempo, em despesas de deslocação, em hotéis, em despesas diversas. [Conheço muita gente que está sempre disponível para exercer cargos desde que receba dinheiro. Para este tipo de cargos não conheço muita gente…]

Apesar de tudo, sou a favor de uma sociedade como aquela em que vivemos.

Só faltam, particularmente em Portugal, entidades fiscalizadoras à altura e, paralelamente, um poder judicial que cumpra a sua função. Porque a sociedade capitalista está a um passo da… selva. E é este passo que não devemos permitir. Ou, em caso de desrespeito, devemos castigar.

Tento aproveitar ao máximo as oportunidades que esta sociedade capitalista, sociedade de consumo, proporciona. E apesar de ter a ideia de que sou uma pessoa de espírito aberto, há coisas que me surpreendem. Melhor: há situações que não consigo entender.

Deixo dois exemplos.

Há meia dúzia de anos comprei uma viagem de avião, de ida-e-volta, a Paris e paguei, já com taxas incluídas, um cêntimo. Sim, leram bem: um cêntimo. Ou seja: 0,01 euros. Por uma viagem de ida-e-volta a Paris. Parece inacreditável.

Anteontem à tarde fui ao hipermercado Continente, em Telheiras (Lisboa). Peguei nuns papéis de publicidade à entrada e reparei que havia uma promoção interessante: comprar 12 caixas de cápsulas de café e receber uma máquina de café grátis. Assim fiz. Como bebo descafeinado, as 12 caixas custaram-me 26,28 euros. Comprei. Trouxe para casa 120 cápsulas. E o hipermercado ofereceu-me uma máquina de 19 bar de potência. Parece inacreditável.

Esta sociedade cada vez mais injusta, muito por culpa dos decisores políticos, tem aspectos surpreendentes. Inacreditáveis, até. Há que aproveitá-los.

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. A injustiça na sociedade, além de culpa dos decisores, não são os cidadãos menos culpados, por terem deixado de decidir.

    A politica, coisa simples – é apenas falar da vida das pessoas. No entanto é coisa demasiado importante para estar exclusivamente nas mãos dos politicos.

    Os despudorados e não menos atrevidos politicos, aceitaram e até regozijaram a dádiva popular de que: “A politica é para os politicos” .

    Temos aí o resultado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura