19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioDESTAQUEEusébio faleceu de madrugada

Eusébio faleceu de madrugada

eusebio_formidavel

Eusébio, o maior jogador de futebol português de todos os tempos, faleceu esta madrugada em Lisboa. Fonte do Benfica disse à agência Lusa que Eusébio, de 71 anos, morreu às 4h30, vítima de paragem cardiorespiratória.

Sobre o “Pantera Negra” muito será escrito hoje e nos próximos dias. COIMBRA JORNAL recorda-o com esta foto de 1966, na qual Eusébio está ladeado pelo fotógrafo conimbricense Fernando Marques (o “Formidável”), no lado esquerdo da imagem, e pelo seleccionador nacional, Manuel da Luz Afonso.

No fim do Inglaterra-Portugal das meias-finais do Campeonato do Mundo de Inglaterra, disputado no Estádio de Wembley em Julho de 1966, Eusébio abandona o relvado a chorar, após a derrota por 2-1 (golos de Bobby Charlton, aos 30 e 80 minutos, e do próprio Eusébio, aos 82, de grande penalidade). Nesse momento, o “Formidável” decide abandonar a função de fotógrafo e prefere confortar o jogador em lágrimas. Uma opção pouco jornalística, mas repleta de humanidade.

Esta imagem correu Mundo, juntando para a História dois nomes grandes nas respectivas áreas: o maior jogador português de sempre e o mais carismático “fotógrafo de Imprensa” de Coimbra de todos os tempos.

Repousam ambos agora em paz.

Formidável e Eusébio

* * * * 

reporteres_fmarques

FERNANDO MARQUES, O “FORMIDÁVEL”

«Fernando Marques, conhecido pela alcunha de “O Formidável”, nasceu em Coimbra a 20 de Setembro de 1911, tendo falecido com 85 anos, a 17 de Dezembro de 1996.
Fernando Marques, ficou internacionalmente conhecido quando, no “Mundial” de 1966, em Inglaterra, foi captado por Nuno Ferrari a consolar Eusébio, no momento em que o Pantera Negra chorava pela derrota frente aos britânicos, que afastaram a equipa portuguesa da final. Natural de Coimbra, “O Formidável” manteve uma grande paixão pela Académica e tornou-se célebre, a nível nacional, pelas deslocações que fazia ao estrangeiro acompanhando o Benfica e a selecção nacional de futebol.
Fernando Marques esteve também em grandes provas internacionais nomeadamente, no europeu de França (1984) e no Mundial do México (1986), continuando a ser uma das figuras mais vistas nos estádios de Portugal, enquanto a saúde o deixou. Colaborou com quase todos os jornais do país, desportivos e não desportivos, entre os quais “A Bola”, “Record”, “Diário de Notícias”, “Jornal de Notícias” e “Diário de Coimbra”. Era sócio do Clube Nacional de Imprensa Desportiva (CNID) e da Associação Internacional de Imprensa Desportiva (AIPS).O seu espólio fotográfico (mais de mil fotografias), foi cedido pelo CNID à Câmara Municipal de Coimbra. Na altura do seu falecimento, um grupo de colegas encontrava-se em preparativos para uma grande festa de homenagem, que perpetuaria a sua memória na cidade de Coimbra e no País. Por seu lado, também o CNID elaborava uma proposta para a atribuição da Medalha-de-Bons-Serviços Desportivos ao “Formidável”.»

(in “Todos somos futebol”)

 

RELATED ARTICLES

2 COMENTÁRIOS

  1. Lembro-me perfeitamente do ‘Formidável’ e das corridas que fazia para Lisboa ainda pela velhinha estrada nº1 para fazer cobertura de acontecimentos desportivos

  2. Recordo ” O Formidável” no Estádio Municipal de Coimbra correndo junto á linha, de máquina em punho e, o esvoaçar da sua gabardina aberta, tudo enfeitado com o seu caracteristico boné.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura