19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioARTESHoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura

Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura

web-Rita-Soares

Rita Soares: vida em contínua mudança

O livro de poesia MALDITA ESPERA, de Rita Soares, editado pela Chiado Editora, é apresentado hoje, sábado, às 15h00, em Coimbra, na Casa Municipal da Cultura. Especialistas afirmam que a obra «é um dos melhores livros de poesia de 2013».
Não será um simples lançamento, mas «um pequeno espectáculo», durante o qual a autora declamará  diversos poemas, um dos quais composto por 10 quadras e dedicado à cidade de Coimbra. O grupo de fados “Mensagem”, da Associação Académica de Coimbra, participará na sessão, apresentando três temas.
Nos três lançamentos já efectuados (em Santa Maria da Feira, Porto e Lisboa), o livro obteve reacções muito positivas por parte do público em geral, havendo quem afirme que os poemas serão musicados um dia.
A apresentação será feita pelo Prof. Doutor Manuel Ferro, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, com o apoio da Dra. Carmen de Frias e Gouveia, igualmente da Universidade de Coimbra.

web-Convite-Coimbra

RITA SOARES na primeira pessoa

Nasci e estudei em Pedroso, Vila Nova de Gaia e actualmente resido em Fiães, Santa Maria da Feira.
Depois de ter terminado o 12.º ano, fui para Londres, onde me licenciei em Inglês pela Universidade de Cambridge.
De regresso a Portugal, inscrevi-me em Direito, mas não cheguei a terminar o curso.
Fui convidada pela Associação de Futsal de Porto para promover a modalidade do futsal feminino e dei início à competição com oito equipas. Permaneci na direcção do Deprtamento Feminino durante quatro anos, abandonando por volta de 1994.
Entretanto, fui trabalhar para Paris e lá permaneci durante 12 anos. Regressei a Portugal há três.
Nasci para a escrita, mas insistia na prosa. Contudo, nunca consegui terminar qualquer livro.
Em Maio de 2013, apeteceu-me escrever um poema e nunca mais parei. O “Maldita Espera” é o primeiro livro editado, mas já tenho mais dois livros terminados.
Escrever está-me no sangue, mas nasci poetisa. Dizem que, além de poetisa, tenho talento para declamar. A verdade é que onde quer que vá, as pessoas comovem-se e arrepiam-se.
Escusado será dizer que Coimbra é uma cidade que me inspira, onde me veria a viver um dia.

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Muito obrigada, Mário Martins e ao Coimbra Jornal pelo divulgação do evento.
    Será uma tarde inesquecível, tenho a certeza.
    Bem hajam
    Rita Soares

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura