19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioOPINIÃOMiradouro da Lua

Miradouro da Lua

MALÓ DE ABREU *

Quando parto, de onde as pernas me tropeçam por não querer criar raízes, voo feito nau em mar aberto. Hoje homem-castelo. Amanhã flor-de-imbondeiro. Aqui anel de fogo no celeiro. Aí fio de vento no deserto. Aqui planto acácias rubras daí nas muralhas dos meus olhos. Aí canto serenatas daqui à janela dos meus sonhos. E pouso em repouso no cimo da árvore mais alta do meu destino. E descansarei de mim. Por fim.

Depois, regresso à pátria e ao tempo que não passa enquanto desenho sem esperança silêncios na areia em horas de maré baixa. E reinvento palavras que não digo porque são como borboletas amarelas que morrem em segredo quando sonho contigo.

Mas, não me toques a alma. Assim poderei sempre partir. Assim poderei sempre nunca mais voltar.

O Pecado e o Sacrilégio

Ao reler o texto de um jornalista conhecido deparei-me com esta afirmação peremptória: «Ir ao Lubango e não ir à Tundavala, é pior que ir a Roma e não ver o Papa». É que eu já fui a Roma, um sem-número de vezes, e nunca vi o Papa. Para mim, Roma é um deslumbramento para a vida. Roma seduz e vicia. Porque irresistível, a ela me rendo de cada vez que lá vou. E é que eu já fui ao Lubango e nunca vi a Tundavala – «É como voar sem tirar os pés do chão. É uma vertigem e uma emoção. É esmagador, mete medo. É o fim do Mundo…».

Voltarei outras tantas vezes a Roma e com certeza cometerei o “pecado” de não ver o Papa. Mas ao tornar um dia destes a Angola não devo cometer o “sacrilégio” de esquecer a Tundavala. Talvez aí relembre as palavras de César perante o Senado, a propósito da sua vitória sobre Fárnace, rei do Ponto: «Veni, vidi, vici». Mas sem pretensões de ter a meus pés o Império. Nem de rever o Arco de Constantino, o Panteão de Adriano, o Coliseu ou o Fórum Romano.

O que porventura me espantará na Tundavala é o que me apaixona em Roma: a banalidade do belo. E, lá bem do alto da Tundavala, talvez reinvente a mais inesquecível e única das mulheres do sul, a descer segura as escadarias da Piazza di Spagna, tão deslumbrante quanto Anita Ekberg quando Frederico Fellini a decidiu mergulhar nas águas da fonte de Nicola Salvi. Imortalizando-a! Será?

web-Maló-de-Abreu

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Este nome, Miradouro da Lua, faz-me recordar um dos sítios mais paradisíacos existentes em Angola, na estrada que liga Luanda à Barra do Quanza. Local de paragem obrigatória, para quem, nos seus tempos de lazer, se deslocava da capital angolana até a foz do rio Quanza, como tantas vezes, comigo aconteceu, na companhia do meu saudoso amigo Nuno Valente, albicastrense de gema. Já lá vão mais de quarenta anos, mas ainda conservo na minha memória o aspecto fascinante e poético daqueles elementos estranhos, moldados pela erosão provocada pelas chuvas tropicais, que nos fazem lembrar uma espécie de estalactites ao contrário. Isto é, nascidas do solo e de várias dimensões e feitios.
    A mensagem do texto de Maló de Abreu: “desenho sem esperança silêncios na areia em horas de maré baixa”, tem uma conotação poética tão profunda que não pode ser dissociada do silêncio contemplativo e romântico que o Miradouro da Lua transmite a qualquer visitante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura