17.7 C
Coimbra
Domingo, 5 Fevereiro, 2023
InícioDESTAQUENavegar é preciso... surpreender é preciso!

Navegar é preciso… surpreender é preciso!

JOÃO CATALÃO *

 

O tema da viagem é uma constante na obra de Fernando Pessoa mas, no magnífico poema “Navegar é Preciso”, o poeta parece dialogar com toda a tradição ao evocar o percurso de errantes viajantes a partir da frase de encorajamento aos tripulantes da nau Argo que, segundo a lenda grega, foi até à Cólquida (actual Geórgia) em busca do Velo de Ouro.

O título do poema “Navegar é preciso, viver não é preciso” é aliás atribuída a Pompeu, general romano, 106-48 aC., dita aos marinheiros, amedrontados, que recusavam viajar durante a guerra, cf. Plutarco, in Vida de Pompeu.

Pois é, meus amigos, 2014 será um ano em que mais do que estarmos focados na forma como sempre vivemos, temos que viajar por mares nunca antes navegados!

Ao longo deste ano iremos certamente todos negociar por águas e mares desconhecidos, em busca do cumprimento dos objectivos que sustentam os nossos negócios.

Em primeiro lugar devemos tomar consciência de um aspecto fulcral: vivemos uma recessão! O estado de espírito geral está afectado! O contexto é favorável à pressão, à desconfiança, à reactividade, à tensão. Diariamente somos “contaminados” com uma avalanche de notícias negativas. Especula-se por tudo por tudo e por nada. O acesso fácil à informação potencia-o. O contexto negativo torna-se numa causa “natural” da tensão acrescida que se vive na actualidade. A incerteza passou a dominar as nossas vidas de forma inesperada!

A única certeza que as pessoas de um modo geral já se prepararam já esperam é o negativo. Tudo o que for negativo não trará novidade. No entanto, interacções com espírito negativo não nos ajudarão a concretizar, rumo ao cumprimento dos nossos objectivos.

Só há uma solução: temos que surpreender os nossos interlocutores quebrando a rotina negativa das interacções em que nos envolvermos. Só isso nos permitirá surpreender positivamente. Tudo o resto apenas irá contribuir para a confirmação das expectativas negativas.

Teremos que surpreender para atrair a atenção dos que nos rodeiam. Surpreender para evidenciar a diferença da daquilo que fazemos, ou somos capazes de concretizar. Surpreender para envolver e gerar confiança nos nossos interlocutores. Surpreender para co-criar com os nossos interlocutores soluções novas e únicas. Surpreender para interagir de forma criativa, contrariando o conformismo e o derrotismo. Surpreender para atingir as nossas metas e os nossos objectivos.

Foi por isso que concebemos o conceito “Atitude UAUme!®” (www.uaume.com) e o desenvolvemos no nosso mais recente livro com esse título, na perspectiva de que ele é a ferramenta de interacção pessoal e profissional que nos permite surpreender os outros a todos estes níveis que atrás enunciados, que nos permite chegar onde de outra forma não chegaríamos, e concretizar o que de outra forma não concretizaríamos.

Em contextos particularmente desafiadores só pode existir uma Atitude: SER DIFERENTE! IR POR “CAMINHOS” AINDA NÃO PISADOS! TER CORAGEM!

A Vida é implacável e extremamente seletiva! A “coisa” ainda vai doer, por isso não temos dúvidas de que já não vai contar “a cor do gato”, mas sim a qualidade do seu “miar”! Como tenho a crença de que SOMOS mais felizes e eficazes a agir do que a reagir, partilho esta anedota, de forma a ilustrar aquilo que pretendo transmitir com este texto:

Um cliente entra numa loja de electrodomésticos e vê um letreiro: CUIDADO COM O CÃO.

Desconfiado, faz as suas compras, mas sempre alerta com receio de alguma surpresa.

Quando chega junto à caixa para pagar, vê que junto à colaboradora está um cão minúsculo! Quase cabia numa mão!

Intrigado pergunta: – “Este é o cão que devemos ter CUIDADO?”

– “Sim!” – responde a Colaboradora. “Tivemos que colocar o aviso, porque estavam sempre a pisar o pobre do cão!”

Moral da “história”:

Tal como diz o poeta Fernando Pessoa…

Viver não é necessário; o que é necessário é criar.

Não conto gozar a minha vida; nem em gozá-la penso.

Só quero torná-la grande…

Dizemos nós:

Quem quer surpreender supera-se. Torna-se melhor pessoa e melhor profissional.

Para bem das vossas VIDAS e dos vossos NEGÓCIOS:

Sejam GRANDES a PENSAR e GRANDES a FAZER ACONTECER.

Um facto: 2014 terá para TODOS NÓS:

Mais 365 oportunidades para PENSAR! Mais 365 oportunidades para CRIAR! Mais 365 oportunidades para FAZER MELHOR! Mais 365 oportunidades para FAZER MAIS! Mais 365 oportunidades para (nalgumas situações) FAZER MENOS! Mais 365 oportunidades para PARTILHAR! Mais 365 oportunidades para FESTEJAR!

Viva o 2014!!!!

 João-Catalão

* militante da Vida. Provocador. (jcatalao@uaume.com / www.vitaminacatalao.pt)

Artigo anterior
Próximo artigo
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura