18.8 C
Coimbra
Domingo, 26 Junho, 2022
InícioNOTÍCIASBanda de Ceira comemora hoje 88 anos

Banda de Ceira comemora hoje 88 anos

web2-AMR-Ceira

A Banda Filarmónica da Associação Recreativa e Musical de Ceira completa hoje, domingo, 88 anos de existência, assinalando a efeméride com um almoço para sócios, amigos e convidados.
A Associação Recreativa e Musical de Ceira foi fundada em 1988, com a fusão do Grupo Musical de Ceira (fundado em 1926) e do Clube de Instrução e Recreio de Ceira (fundado em 1949).

NOTAS PARA A HISTÓRIA

Foi em 26 de Janeiro de 1926 que, sob a iniciativa do Padre Almeida Campos, surgiu o Grupo Musical de Ceira, constituído por músicos da própria terra, que tinha como objectivo abrilhantar os festejos religiosos da freguesia. A primeira regência foi confiada ao próprio fundador.
Segundo o que está escrito na primeira acta, o grupo era regido por severas regras e eram impostas coimas aos músicos que injustificadamente faltavam às actividades ou mesmo aos ensaios.

Para além do vertente cultural, o Grupo Musical de Ceira tinha como missão ajudar os mais necessitados da terra. Sem sede própria, foi ocupando vários espaços cedidos amigavelmente, até que 1981 se mudou para as instalações da Casa do Povo de Ceira.

Com uma Escola de Música sempre a funcionar, tornou-se numa das bandas mais jovens e com maior número de elementos femininos. Participou em vários eventos festivos e conheceu o seu “momento alto” quando recebeu um louvor da Confraria da Rainha Santa Isabel pela sua notável participação na Procissão da Rainha Santa Isabel, como “banda de acompanhamento ao andor”. Na altura ficou lavrado em acta que sempre que o Grupo Musical de Ceira participasse na referida procissão, acompanharia o andor da Rainha Santa.

Para além de ter participado em vários festivais de bandas musicais, inclusivamente o que foi organizado pela EDP na Figueira da Foz, foi membro fundador de Federação de Filarmónicas do Distrito de Coimbra.
Em 1988 ocupou as instalações do Clube e Instrução e Recreio de Ceira, encerradas há muitos anos. Na sequência desta mudança nasceu em 17 de Setembro de 1988 a Associação Recreativa e Musical de Ceira (ARMC), que deu continuidade ao trabalho desenvolvido pela Filarmónica e criou outras actividades de lazer. Em Janeiro de 2001, nos 75 anos de existência, foi condecorada com a Medalha de Mérito Cultural pela Câmara Municipal de Coimbra.

Inserido na “Ceirarte – Feira de Artesanato”, organiza anualmente um encontro de filarmónicas, reunindo músicos de todo o país. De igual forma, tem sido repetidamente convidada para participar em encontros de filarmónicas.
Em 9 de Janeiro de 2005 foi apresentada a Orquestra Juvenil da ARMC, composta pelos músicos mais jovens da filarmónica e regida pelo maestro João Duarte. Em Abril de 2006, faz a sa primeira deslocação ao estrangeiro, actuando nos dias 9 e 10, em Cholet e em Poitiers, respectivamente. No mesmo ano, foi uma das 12 bandas filarmónicas da Região Centro seleccionadas pela Direcção Regional da Cultura do Centro para o programa “Bandas em Concerto”. Em Abril de 2007 actuou no Teatro Aveirense.

Graças a muitos esforços e trabalho, a ARMC dispõe actualmente de uma sede invejável e possui uma escola de música em pleno funcionamento. A direcção musical está entregue ao maestro Miguel Pinto. Conta nas suas fileiras com 44 músicos, 15 dos quais do sexo feminino.

Artigo anterior
Próximo artigoFrase de Elton John sobre o Papa Francisco
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura