13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUEDe onde sou, sempre serei

De onde sou, sempre serei

web1-oliveira

VASCO FRANCISCO *

Semide, Janeiro de 2014

O silêncio da noite conquista a aldeia de rua em rua. Nada mais se ouve, a não ser uma levada de água, que vai moldando os campos e fazendo deles margens de um rio invernal, provocado pelas chuvas e por uma nascente escondida de todos. A água que cai dos beirais lava a solidão das velhas ruas onde já não mora ninguém. Ruas engalanadas que viram partir uns mais velhos e emigrar uns mais novos. Ao olhar aquelas ruas, fica sempre a vida e a memória de gente que nasceu na Beira (região das Beiras) e consigo levou recordações destas terras.

Desço a um bairro mais moderno e aí se vê que a genuinidade ainda continua a acompanhar os tempos. Sinto-me orgulhoso e honrado de aqui ter nascido e crescido, a ouvir o falar desta gente que se entranha nos meus lábios e me transmite conhecimento e carinho. Sinto-me diferente e afortunado por viver entre os verdes campos que me transmitem esperança. Ser aldeão desta terra é poder dar valor ao que a vida nos oferece, desde o cantar de um bonito pardal até à grande festa da padroeira.

Quem aqui nasce, aprende a viver de uma forma única, embalado no som da água que corre e deixa para trás as ruínas de um moinho que chora pelo seu moleiro. É ouvir o som de uma enxada que finca a terra com a força do lavrador, é ouvir os passos de uma mulher que vem da fonte com a roupa lavada no lavadouro, é ouvir o sino chamar à capela a orar em aflição ou em ação de graças. Que alegria poder ver um grupo de crianças que brinca no meio da rua sem receio do trânsito.

Os aromas do campo convidam a parar quem passa e o fumegar de uma lareira aclama a união de uma família que à mesa partilha o mesmo pão, que apesar de não ser muito é pobre mas saboroso. O crime é raro e quando o há acodem-se uns aos outros.

Para descrever uma aldeia, há palavras, mas não há espaço nem tempo para tantas. Tanto se pode dizer sobre as aldeias de Portugal. É nelas que está a verdadeira identidade de uma nação. Quem realmente é aldeão, ou quem por algum motivo gosta destas pequenas terras, vê a sua aldeia desde o pormenor mais escondido até àquele em que mais se destaca. Portugal é um país repleto de história, tradições, paisagens únicas, tem um património riquíssimo e primoroso, assim como nobre e deliciosa gastronomia afamada no mundo inteiro. Desde as cidades às aldeias, Portugal mergulha numa identidade única no mundo, fazendo de si um país genuíno e riquíssimo. Não se pode confundir PORTUGAL, o país de que até agora escrevi, de Portugal, de um navio afundado por uma tripulação pirata que não sabe navegar.

As aldeias de Portugal ainda hoje são a prova viva do trabalho dos portugueses, de que da pobreza se pode alcançar a riqueza e o sucesso, mas sobretudo a felicidade. A felicidade com que o povo vive as tradições e costumes. Desde o Minho ao Algarve, a região das Beiras é talvez onde espirito de aldeão se vive com mais intensidade. Cada aldeia tem a sua identidade, o seu padroeiro, as suas tradições e os seus sabores. Tudo isto faz com que quem realmente ama a sua terra leve na recordação as origens, mesmo que as tenha de deixar. Mas sempre será daquela terra que o viu nascer.

Ultimamente, a sociedade mais jovem tende esconder o nome das suas terras (especialmente, as aldeias). Não há que ter vergonha de dizer de onde somos, mas o que na verdade interessa é o que levamos e o que vivemos nessa aldeia, os conhecimentos, os sabores e o acolhimento de um povo por vezes pobre mas tão nobre.

A chuva parou para que eu escrevesse a olhar o campo que não me canso de ver, o vento segreda-me em voz serena que daqui a poucas horas uma tempestade virá e me avisa para recolher o rebanho. O Sol, que por vezes espreitou, já se escondeu no ocidente e já se vai embalando no berço da noite. A lua por lá anda de candeia acesa, mas hoje não sei se aparecerá. Enquanto não a vejo, sigo a minha lida e adormeço as palavras onde uma se destaca: PORTUGAL.

web-Vasco-Francisco

* aluno do Ensino Secundário, 18 anos

RELATED ARTICLES

3 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns Vasco! És uma brisa fresca de esperança neste nosso Portugal que tanto precisa de jovens que sintam e valorizem a realidade da nossa terra.

  2. Parabéns ao autor deste magnifico texto. Também eu que sou aldeão, natural de uma pequena aldeia, duriense, me revejo nesta radiografia, prenhe de ruralidade. O romantismo e o tom bucólico que lhe está subjacente tornam-no numa peça literária de alto nível.

  3. Tive o prazer de ter sido teu professor. A tua sensibilidade destacava-se entre os outros. Continua a escrever. Um abraço.
    Eduardo Aroso

Responder a Eduardo Manuel Dias Martins Aroso Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura