19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioOPINIÃOIndignidade

Indignidade [Norberto Pires]

web-Assembleia

NORBERTO PIRES *

Tenho muita dificuldade em reconhecer este PSD e, de facto, às vezes apetece-me atirar a toalha ao chão. Muitas pessoas, e isso é legítimo, terão dúvidas sobre a melhor forma de adoptar ou coadoptar, tentando com isso proteger a única entidade que deve ser protegida: a criança. Essa discussão deve ser feita no parlamento, com serenidade, com o tempo necessário para poder ouvir toda a gente e encontrar uma solução equilibrada, sem paixões, sem dogmas, e, essencialmente, sem demagogia e sem populismo.

Neste assunto não há, nem pode haver, direitos de adultos, nem liberdades, nem nada disso. Só pode haver um único interesse: proteger as crianças e dar-lhes as melhores condições de desenvolvimento possíveis (e isso SIM é urgente resolver, não limitando opções para que nenhuma criança fique sem família). Por isso, sequer misturar neste assunto outras questões como a homossexualidade, heterossexualidade, ou outra forma de viver a sexualidade de cada um, é para mim algo abjeto. Fico aliás com a nítida sensação que em Portugal muita gente, se calhar a maioria, é uma mistura de um TARADO SEXUAL com uma ALCOVITEIRA. Só vêem sexo à frente, adoram falar da vida dos outros e em tudo envolvem as opções sexuais de cada um, tentando, não sei porquê, regular a forma de viver de cada um.

Dito isto, lamento profundamente a total falta de bom-senso que continuamos a mostrar, apesar dos 40 anos de democracia, e o lamentável exemplo dado pelo PSD e pela JSD neste caso, confundindo tudo e todos e misturando assuntos. A lei da adoção tem de estar centrada nas crianças e nos seus direitos, e não pode, de maneira alguma, ser uma forma de resolver o problema de uma família. A adoção serve para encontrar uma família a uma criança que não tem família, e não deve servir para tornar “igual” aquilo que é “diferente”. As famílias formadas por casais homossexuais são diferentes das outras, e quando são formadas é preciso ter perfeita consciência disso mesmo. São famílias, devem ter os mesmos direitos e deveres, mas são diferentes. Não é a lei que torna essas famílias diferentes. É a natureza.

A lei da adoção não deve impossibilitar ou inviabilizar hipóteses. Mas deve estabelecer prioridades e fazer opções, tendo a criança e os seus interesses como único guia (sem qualquer outra motivação), não procurando, por exemplo, fazer “igual” aquilo que é, e vai continuar a ser, naturalmente “diferente”. A lei da adopção não pode ser elaborada para resolver problemas das famílias, mas sim, e somente, os problemas das crianças.

Vivemos tempos de transformação no conceito de família, o que tira o discernimento às pessoas e foca a sua atenção em aspetos laterais. Neste caso, o foco são as crianças e só elas. Baralhar tudo, caminhar para coisas laterais, usar a adopção para resolver problemas de adultos e não das crianças, misturar tudo isso com sexualidade ou direitos de minorias é um inacreditável exercício de demagogia e populismo e UMA BOA RAZÃO para ser contra “referendos” nestas áreas. É que, sem pessoas adultas e com bom-senso, é impossível ter uma conversa equilibrada, séria e saudável.

É que sem equilíbrio, sem bom-senso, sem conversas saudáveis, afastadas de dogmas, um referendo é um plebiscito de uma maioria sobre minorias. E isso dá sempre mau resultado.

 

* Professor universitário. Texto publicado no blogue Rua Direita

web-Norberto-Pires

 

 

RELATED ARTICLES

2 COMENTÁRIOS

  1. Exacto, conciso, o texto é um bom exemplo de sensatez. Só quero agradecer ao seu autor. Bem haja.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura