13.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 20 Maio, 2022
InícioARTESCompromisso para a ciência

Compromisso para a ciência [António Piedade]

web-Ciencia

ANTÓNIO PIEDADE *

«(…) A atual situação ainda é mais grave do que foi no passado, porque falamos, agora, de pessoas que, sendo bem formadas moral e cientificamente, não têm sequer a possibilidade de mostrar o seu valor. São uma espécie de falsas elites. Elites, porque são as melhores, mas falsas, porque não lhes é dada a possibilidade de provar o seu valor na terra-mãe.
Reconhecido este diagnóstico preocupante, ou seja, a percepção do desertar crescente dos portugueses qualificados de Portugal, lançamos o presente manifesto para um compromisso com a ciência, a cultura e as artes. Trata-se de um compromisso dos portugueses consigo mesmos e com os seus melhores para que este potencial seja reconhecido, aproveitado, capitalizado. (…)»
Este é um excerto de um recente manifesto “contra a crise” (pode ser lido na integra aqui) que uma centena de personalidades portuguesas ligadas à ciência, à cultura e às artes subscreveram e tornaram público.
É um apelo veemente ao melhor de nós, dirigido a toda a sociedade portuguesa. Porque a crise é colectiva e não só da política. Cultural e não só económica. É de falta de confiança para além da esperança, corroída pela falta de vergonha de uma classe dirigente impreparada e muito aquém das competências dos milhares de portugueses que, altamente qualificados e formados em Portugal, são obrigados a emigrar indo enriquecer outros países.

Nas últimas duas décadas formaram-se em Portugal milhares de jovens investigadores. A formação foi, e é, de excelência internacional. Resultou de uma estratégia de investimento económico, infraestrutural e pessoal sem precedentes no tear da ciência e tecnologia portuguesas. Essa estratégia foi transversal a diversos governos, independente da proveniência partidária, e esse compromisso frutificou com qualidade e abundância.
De facto, houve um pacto de regime para a ciência portuguesa nos últimos 20 anos. Os resultados mostram que quando nos deixamos de partidarites, e convergimos as acções num desígnio bem definido e estruturado, o país atinge níveis de desenvolvimento impressionantes. Tornamo-nos globais. E sempre que o fizemos tivemos sucesso e até mudámos o curso da história universal.

Corremos agora o risco de amputar o corpo científico desenvolvido. De, cegamente, oferecer aos outros países os melhores de nós. E eles reconhecem e agradecem tamanha vã generosidade. Portugal, envelhecido, fica no restelo e mais pobre.
Precisamos de continuar o compromisso que estabelecemos nas últimas décadas para continuar a desenvolver a produção de conhecimento, e logo, de riqueza. Precisamos de continuar o nosso compromisso com a ciência.

Enquanto isso, os nossos jovens cientistas continuam a receber prémios internacionais. Esta semana foi a vez de uma equipa do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, liderada por Luís Pereira de Almeida, receber quatro prémios de uma fundação norte-americana, a National Ataxia Foundation, pelo seu trabalho que busca novas terapias para a doença de Machado-Joseph. Esperemos que nenhum deles seja forçado a ter de emigrar.

WEB-UC-investigadores

web-António-Piedade

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura