13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUEE se as vacas voassem?

E se as vacas voassem? [João Catalão]

web-vaca-voadora

JOÃO CATALÃO *

Duas vacas estavam felizes a voar, até que uma delas diz à outra:
– As vacas não voam!
A outra respondeu: – Pois é, mas também não falam!
Resultado: caíram as duas…

Esta pequena história faz-me lembrar duas verdades:

  • Num problema a questão grave não é o problema, mas sim a minha atitude face ao mesmo.
  • Se eu não posso mudar o meu destino, ao menos tenho que tentar mudar a minha atitude.

As nossas amigas (as vacas) estavam a gostar de voar e de falar, até ao momento em que resolvem “complicar”!

Que tem isto a ver com esta “crise”?
Tudo!

Querem saber porquê?

  • As vacas estavam a “jogar” para ganhar? Não!
  • As vacas tinham uma estratégia de evoluírem de animais pesados, herbívoros e pachorrentos, para animais “mais leves”, capazes de ganharem “asas”? Não!
  • As vacas conheciam as suas verdadeiras competências e o seu potencial de adaptação? Não!
  • As vacas estavam preparadas para novos desafios? Não!
  • As vacas estavam focalizadas no “fazer acontecer”? Não!
  • As vacas tinham objectivos e metas para atingir? Não!
  • As vacas queriam ser diferentes das outras vacas? Não!
  • As vacas formavam uma equipa orientada para o sucesso? Não!
  • As vacas tinham uma atitude mental positiva? Não!

Agora meus amigos, já perceberam porque é que as vacas caíram: Não pensaram diferente, não acreditaram no seu potencial, não se desafiaram, não resistiram, não tiveram coragem para mudar de “caminhos”, não pensaram em sucesso, por isso…CAIRAM!

Falemos “à séria”: As vacas não voam!
Se querem “voar” para o sucesso, levantem-se todos os dias com determinação, pois esta é certamente a melhor forma de poder deitar-se com satisfação…

Ninguém consegue “voar” se aceitar “rastejar”! Não arriscar é arriscar TUDO!
Quem “voa”, vê aquilo que os outros não conseguem ver! Um bom “voo” depende das escolhas que fizermos antes de “tirar os pés do chão”.

Portugal pode estar a viver uma “crise”, mas por favor: Seja o que for, faça o que quiser, mas seja antes de tudo, um daqueles que sabem querer “voar”!

* Militante da Vida. Provocador.
(jcatalao@uaume.com / www.vitaminacatalao.pt)

wev-João-Catalão

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura