13.9 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioOPINIÃO“Inconseguimento”

“Inconseguimento” [Norberto Pires]

web-PSD-logo

NORBERTO PIRES *

Estive a ler um texto de 25 páginas, contando com capa e índice, intitulado “Portugal Acima de Tudo”, e que começa com a mesma citação, pretensamente de Francisco Sá Carneiro, que Paulo Portas usou, no dia 12 de Julho de 2013, na Assembleia da República para justificar a irrevogabilidade da sua existência política: «Primeiro o País, depois o Partido e por fim a circunstância pessoal de cada um de nós». Talvez a ideia seja mostrar unidade com o parceiro de coligação, partilhando citações, o que já de si seria estranho. Mas o mais difícil de entender é que Pedro Passos Coelho cite mal o fundador do PSD que dizia, e bem, «Primeiro o País, depois a Democracia e só depois o Partido», optando pela versão de Portas na qual ele introduz, como em tudo, a sua «condição pessoal».

Achei um texto com poucos motivos de interesse, mas, com algum esforço, encontrei razões para 5 comentários:

1. Os autores do texto não fazem a mínima ideia do que fazer a partir de Maio de 2014. Ok, isso é legítimo, mas podiam pura e simplesmente dizer isso e poupar-nos o trabalho;

2. Os autores falaram duas vezes em I&D, associando a empreendedorismo e inovação, mas nunca falaram em ciência e conhecimento. Começa a ser penoso;

3. Gostei de ler coisas como «Torna-se, por isso, indispensável trabalhar melhor para atingir as metas e criar os instrumentos de redução das emissões de gases de efeito de estufa, num quadro de equidade de esforços entre todos os sectores e num contexto de ponderação de custo-eficiência», na secção de 1,5 páginas dedicada à “Agenda para o Crescimento e Emprego”. Veio-me à cabeça a palavra “inconseguimento”, não sei bem porquê;

4. Gostei de ler também que «Nos seus 40 anos de história, o PSD foi um partido liderante na confrontação com os grandes problemas nacionais e mais uma vez liderará um profundo e alargado debate na sociedade portuguesa na busca de respostas sistémicas e eficazes capazes de inverter o ciclo de declínio demográfico, gerar mais e maior integração dos seniores num envelhecimento activo e ainda proporcionar uma distribuição geográfica da população que promova o equilíbrio e coesão territorial. Queremos fazê-lo integrando o complexo debate científico em curso na Europa e no resto do mundo. E queremos também aprender com as experiências mais ou menos recentes que alguns países têm levado a cabo», numa secção de 1,5 páginas dedicada à “Agenda para a Natalidade”. Eh! pá, juro que nem sei o que dizer, mas veio-me à memória uma intervenção de Cavaco Silva em que ele perguntava «mas o que é que é preciso fazer para que nasçam mais crianças em Portugal?»;

5. Mas a parte que eu mais gostei foram as 5 páginas, ou seja 20% do texto, dedicadas ao “Novo Ciclo Eleitoral”. Nessa secção os autores falam de tecnologia e definem o que querem que seja essa nova APP que eles inventaram e que se denomina “Presidente da República (Versão 3.0)”. São mesmo explícitos do ponto de vista tecnológico: deve correr em plataformas Windows, MAC OS, Linux, etc., (para ser independente) deve ter um grafismo atrativo e muitos efeitos especiais (para ser respeitado), mas não deve servir para rigorosamente nada.

Nota final: A APP “Marcelo Rebelo de Sousa”, uma versão antiga para sistemas operativos já ultrapassados, veio dizer que a migração não era possível, dando, aparentemente, por terminada a sua longa e muito bem-sucedida carreira. Mas nunca se sabe, as tecnológicas modernas são capazes de tudo.

* texto publicado no blogue Rua Direita.

web-Norberto-Pires

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura