34.5 C
Coimbra
Terça-feira, 9 Agosto, 2022
InícioDESTAQUEPraxe: o respeito pela Academia

Praxe: o respeito pela Academia

ALEXANDRA BIGOTTE DE ALMEIDA *

E depois há aqueles que utilizam o triste fado de outros como forma de se auto-promoverem. Tenham paciência e cresçam.
A Praxe pode não ser humilhação. A Praxe pode não ser tortura. Mas é como em algumas relações, os jogos de poder enraízam-se nos cérebros menos desenvolvidos e as agressões, físicas e psicológicas, são exploradas das mais diversas maneiras.

Fui Praxada. Estive na Comissão de Praxe. Praxei. E posso garantir-vos que o melhor que dali levo não são os ditos “amigos”, porque felizmente ainda tenho a capacidade de me inserir sozinha numa comunidade. O melhor que dali levo é o respeito pela Academia. O respeito secular de uma indumentária que muitos nem sabem qual a sua origem.

E querem saber de uma história? Referia-me a Coimbra, porque fui vítima de abusos na Academia Minhota (bam! escândalo nas redes sociais já!). E não estava em Praxe (a minha paciência para essas brincadeiras ficou guardada com a minha Capa e Batina). E sabem o que fiz ao ser agressivamente agarrada nos pulsos e braços, numa das primeiras semanas em Guimarães? Educadamente disse ao “Sr. Engenheiro” que já berrava «Nome e curso?!» (coitado! ainda nem metade das minhas matrículas tinha!): «Não tens que saber quem sou, mas digo-te que acabei de chegar, e se por ter colocado a minha mão nesse vosso objeto “sagrado” desrespeitei a Academia (mentes poluídas à parte, não refiro o objeto porque para além de querer evitar mais problemas, não interessa para a história), só tinhas que me explicar que errei. Porque envergar esse Traje não te dá o direito nem poder de maltratar ninguém, dá-te o dever de ensinar os que chegam, e por acaso não sou caloira, mas se fosse, garanto-te que nunca mais via com bons olhos a Praxe!».
Mais tarde acabou por se colocar de joelhos e pedir desculpa, por ordem de um superior hierárquico seu. Como Coimbrinha de gema que sou, disse que trocava a humilhação dele por uma cerveja fresquinha, e o caso ficou por ali.

Portanto meus amigos, vivi duas realidades. E sei no entanto que tanto há abusos no Minho, como há abusos em Coimbra, e por aí adiante. Temos de ser nós que defendemos a verdadeira concepção da Praxe, a ser também os seus embaixadores. Abusos há em todo o lado. Como disse, é como numa relação.

E agora pergunto: até quando vais permitir que o verdadeiro objetivo da Praxe seja escondido? Deixem-se lá de eventos no Facebook com argumentações “pointless”, deixem-se lá de entrevistas que camuflam a verdade.
Não é hora de acabar com o problema pela raiz. Se a Praxe é como uma relação, não há que acabar com todas as relações, acabar com a Praxe. Há sim que arranjar meios de combater aquilo que é o chamado ABUSO e DESRESPEITO.
Amem-se uns aos outros, e pensem como alguém um dia disse: aquele “nerd” de quem tu fazes troça, pode um dia vir a ser o teu patrão.

web-Alexandra

* texto publicado no Facebook.

 

 

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura