13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUELembram-se do... Viegas?

Lembram-se do… Viegas?

Académica 1963 1964Viegas, o guarda-redes, o primeiro do lado esquerdo, de pé

Mário Martins *

Os anos dão-nos um “lastro” que nos permitem, volta e meia, recordar momentos do passado. Foi o que sucedeu ontem à noite, ao assistir ao Olympiakos-Benfica, da Liga dos Campeões.

Fui vendo o jogo enquanto fazia outras coisas, mas apercebi-me que o guarda-redes dos gregos, o espanhol Roberto, que já jogou no Benfica, foi a grande figura do encontro, negando uma mão-cheia de golos à equipa lisboeta. Uma exibição soberba, que garantiu o triunfo do Olympiakos e praticamente afastou os “encarnados” da Liga dos Campeões.

Roberto é um exemplo típico daquilo que, na gíria do futebol, se diz ser um “guarda-redes de engate”: ora dá uns valentes “frangos”, ora “engata” uma grande exibição. Com eles não há meios termos.

E dei comigo a pensar, durante a transmissão do jogo de ontem do Benfica em Atenas, em alguns guarda-redes que conheci na baliza da Académica, desde os tempos de miúdo de calções que ia para a porta do estádio e pedia «Ó senhor, deixe-me entrar consigo…». E lá entrava e cumpria o desejo de ver os jogos no Calhabé. [Era esta a única forma de entrar no estádio, já que o meu pai tinha – entre outros – um princípio de que muito se orgulhava: o de nunca ter visto um jogo de futebol, que para ele eram 11 tipos em calções a correr contra outros 11 tipos em calções, com outro no meio, também de calções, a apitar». E morreu depois dos 70 anos sem nunca ter entrado num estádio…]

Voltemos aos guarda-redes da Académica… Qual terá sido o maior “guarda-redes de engate” que vestiu a camisola negra? – pensei. Lembrei-me de vários. O Maló (ou melhor, o dr. Maló) nem sequer entrou na lista, porque era guarda-redes de classe acima de qualquer suspeita. O Melo?… O Brassard?… O Mãozinhas?… Sim, qualquer um deles poderia ter sido o melhor “guarda-redes de engate” da Briosa.

Mas não, o maior de todos, na minha modesta opinião, foi sem dúvida o Viegas. Ele, sim. De vez em quando, lá “abria a capoeira” (é outra vez a gíria do futebol) e deixava sair uma frangalhada. Ou seja, permitia um “golo fácil” ao adversário. Mas quando ele “engatava”, ninguém o conseguia bater. Defendia com as mãos, com os pés, em voo ou rente ao solo, defendia com o peito e com as pernas. Era inultrapassável, como sucedeu ontem com o espanhol Roberto frente ao Benfica.

Está atribuída a distinção: Viegas foi o maior, o melhor, “guarda-redes de engate” que vi jogar até hoje na Académica.

0329_abola_4137cCapa de “A Bola” de hoje

* publicado originalmente em 6 de Novembro de 2013

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Adorei! Tinha saudades de um texto assim… Lê-se com o ritmo de uns passes de bola e com o sabor de umas boas recordações.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura