34.5 C
Coimbra
Terça-feira, 9 Agosto, 2022
InícioARTESCoimbra 100% LED

Coimbra 100% LED [António Piedade]

web-Coimbra_à_noite

[Foto: Sentidos de Coimbra]

É sempre de saudar a transferência de conhecimento da Universidade para a Cidade. Um caso concreto foi conhecido esta semana através de um comunicado da Acessória de Imprensa da Universidade de Coimbra: uma equipa de investigadores do Instituto de Sistemas e Robótica da Universidade de Coimbra (UC), de que fazem parte Carlos Patrão e Paula Fonseca, através do projecto europeu Transparence, vai acompanhar a substituição de 35 mil lâmpadas das luminárias públicas por outras com tecnologia LED (light-emitting diode, ou díodo emissor de luz).

O projecto Transparence visa “aumentar a transparência e honestidade do mercado dos Serviços Energéticos em toda a Europa e, principalmente, facilitar a elaboração e implementação de Contratos de Desempenho Energético (CDE)”, segundo o comunicado da UC. A elaboração de contratos, que envolve 20 países da União Europeia e é financiada em 2,1 milhões de euros por fundos comunitários, pretende regular o desempenho energético, segundo um código de boas práticas, comum para todos os países europeus.

No caso de Coimbra, o concurso público internacional para a instalação de um novo sistema de iluminação, no valor de quase 27 milhões de euros, foi lançado em Março de 2012 pelo anterior executivo camarário, segundo o noticiado pelo jornal Público. Mas o projecto, que afinal deverá rondar os 40 milhões de euros, só deve avançar este ano após a assinatura dos contratos com as duas empresas conimbricenses e vencedoras: ISA e Manuel Rodrigues Gouveia.

Temos assim uma interacção, entre a Universidade, a autarquia e empresas de base tecnológica e de engenharia civil com sede em Coimbra, que visa uma melhor gestão dos custos energéticos públicos da cidade. Através da monitorização dos investigadores da Universidade, e no âmbito daquele projecto, será maximizada a poupança de energia, garantindo que ambas as partes contractualizantes, empresas e autarquia, saibam o que esperar umas das outras com maior transparência.

Concretamente, as empresas ISA e Manuel Rodrigues Gouveia vão substituir toda a iluminação pública da cidade por lâmpadas LED. Estas, mais económicas e eficientes, irão fazer diminuir a factura do município com a electricidade. A autarquia pagará à EDP a electricidade consumida e parte do valor poupado será pago às empresas. Se não houver poupança, as empresas não recebem. Mas o risco destas é calculado e diminuto uma vez que está bem definida a eficiência da tecnologia a aplicar.

A factura da iluminação pública é a que mais pesa no consumo energético dos municípios atingindo mais de 50% em alguns casos. Em Coimbra a factura anual é de 2,8 milhões de euros para iluminar as ruas da cidade. Com a substituição das lâmpadas tradicionais por LEDs a autarquia poderá poupar cerca de 70% daquele custo! Acrescente-se que esta nova tecnologia «melhora a acuidade visual, reforçando a segurança rodoviária e das pessoas em caminhos públicos», explicou Carlos Patrão ao jornal “Público”. Para além disso, Coimbra tornar-se-á a primeira cidade do mundo 100% LED. Acrescente-se que a substituição deverá estar concluída em 2015.

A propósito, e para finalizar, diga-se que as primeiras lâmpadas LED com aplicação prática surgiram em 1962. Mas o primeiro LED foi desenvolvido em 1927 pelo russo Oleg Losev. Mas as investigações científicas fundamentais que permitiram o seu desenvolvimento remontam ao início do século XX, mais precisamente em 1907 com os trabalhos do britânico H. J. Round sobre o fenómeno da eletroluminescência em compostos de silício semicondutor. Note-se a distância de mais de um século entre a investigação experimental fundamental e a sua aplicação no dia-a-dia.

web-António-Piedade

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura