18.8 C
Coimbra
Domingo, 26 Junho, 2022
InícioDESTAQUEEncarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos

Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos

web-Coreto

Coreto do Parque Dr. Manuel Braga. A vermelho está assinalada a placa que refere a “inauguração”

A “estória” é das tais que ninguém julgaria possível acontecer, mais a mais numa “cidade informada” como Coimbra. A acreditar numa placa colocada junto ao Coreto do Parque Dr. Manuel Braga, a estrutura foi inaugurada pelo anterior presidente da Câmara Municipal, Carlos Encarnação, em 22 de Março de 2007. Na realidade, porém, aquele Coreto já tinha sido inaugurado 103 anos antes, em 7 de Julho de 1904.

A construção do Coreto está bem documentada. Regina Anacleto publicou em 1983 um trabalho sobre o equipamento (“Mundo da Arte” n.º  14, de Junho de 1983, páginas 17 a 30).
O Coreto foi construído em 1904, sendo inicialmente colocado no denominado Cais das Ameias, junto à Avenida Emídio Navarro. A cerimónia de inauguração deve ter sido grandiosa, já que contou com a presença da Banda de Infantaria 14, de Viseu.
Trinta anos mais tarde, o Coreto foi transferido «da zona do antigo passeio público do Cais das Ameias para sudoeste, para uma zona mais central do parque», onde ainda hoje se encontra.

No entanto, a placa existente junto ao Coreto ignora todo este passado e  transforma uma estrutura mais do que centenária em algo com menos de uma década. Inacreditável.

A Câmara Municipal de Coimbra deve tomar medidas. A primeira das quais deve ser retirar de imediato a placa em questão. Depois, se conseguir apurar o nome do “técnico” (há quase sempre um “técnico” metido nestas coisas…) responsável pelo salto histórico de mais de 100 anos, deve classificá-lo de acordo com a qualidade demonstrada.

web-Placa

A placa que engana a História

RELATED ARTICLES

3 COMENTÁRIOS

  1. De facto estará mal redigido, pois o que pressuponho é que tenha sido restaurado e que tal restauro tenha sido inaugurado…Mas de facto, falta saber quem redigiu e com que intenção. Tenho ideia desta «cerimónia» porque passei por lá e vi muita gente naquele local, mas segui…Ou talvez fosse outro evento de semelhantes contornos…
    Terá havido discurso do género: «Portugueses! É a 1ª vez que cá venho, depois da última vez que cá estive!» ?

  2. Coimbrices bacocas de quem gosta de ver o nome escrito numa placa. Eu, pequenita de 3 anos, chegada a Coimbra em 1960, tinha como presente de Domingo, ir com o meu avô ver os concertos da Banda Militar do (Quartel) 16, que eram apresentados nesse coreto. Tempos em que a cultura musical era valorizada e oferecida a toda a a população da cidade! E o meu avô sempre me dizia: “aqui está um bonito local para veres a música”!

  3. Tenho 58 anos a grande maioria vividos em Coimbra… Sempre me lembro de brincar naquele coreto. Lembro-me de ir até lá com uma tia já de idade e ali passava a tarde com muitas mais crianças… Uma das brincadeiras preferidas era mesmo subir e descer as escadas do dito coreto…Ao domingo fui lá muitas vezes com o meu pai que adorava sentar-se num banco próximo a fumar o seu cigarro e a ouvir os concertos da Banda Militar ou de algumas Filarmónicas… Ali aprendi ainda muito pequenina a apreciar aquele género de música… Ao ver agora a foto da placa de inauguração do coreto só pergunto…Eu sonhei que aquele coreto existia ou alguém anda a enganar as pessoas?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura