13.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 20 Maio, 2022
InícioARTESAsma aumenta em crianças de Coimbra

Asma aumenta em crianças de Coimbra [António Piedade]

 ANTÓNIO PIEDADE *

web-Magdalena-Muc

A investigadora Magdalena Muc

Num estudo que será publicado num próximo número da Revista Portuguesa de Pneumologia, com o título “Prevalência dos sintomas de asma e rinite nas crianças a viver em Coimbra, Portugal”, três investigadoras da Universidade de Coimbra apresentam o resultado de um inquérito sobre a prevalência da asma e rinite em crianças no distrito de Coimbra.

Apesar de existir muito pouca informação na última década sobre a prevalência de asma e rinite na infância em Portugal (o que não pode deixar de espantar), este estudo é o primeiro a explorar este assunto dentro da faixa etária 6-8 anos.

Sobre os resultados, Magdalena Muc, primeira autora do artigo e investigadora do Departamento das Ciências da Vida da UC diz que os dados agora obtidos só se podem «comparar com as prevalências nacionais e de outras cidades portuguesas (Porto, Lisboa, Portimão e Funchal)» registados num estudo de 2002. «Relativamente a estas cidades (exceto o Funchal), observamos um aumento do nível da asma e pieira nas crianças residentes em Coimbra», refere a investigadora.

O estudo, que recolheu informação sobre uma amostra de 1037 crianças, dos 1.º e 2.º anos de escolaridade, de 32 escolas (28 públicas e quatro privadas) do distrito de Coimbra, observou pelo menos um episódio de asma ao longo da vida em 10,.4% da população estudada. Por outro lado, 35,2% das crianças tiveram pieira e 11,8% sofreram um ataque de asma durante o ano de 2012. Também foi registada uma prevalência de casos de rinite ao longo da vida em 22,8% das crianças estudadas.

O aumento de casos relatados de asma e rinite em crianças em Coimbra é preocupante. «A asma é uma das doenças crónicas mais comum em pediatria. Os problemas de asma e rinite na infância estão relacionados não só com sintomas físicos caracterizados por um elevado nível de morbidade e desconforto, mas também com baixa autoestima e absentismo escolar. Por esta razão existe a necessidade de monitorizar as prevalências e incidências destas doenças na população infantil», afirma Magdalena Muc.

«O aumento global das doenças alérgicas e asma é atribuído a alterações do estilo de vida», explica a investigadora e acrescenta que «os últimos resultados (ainda não publicados) que obtivemos, mostraram maior prevalência de pieira entre as crianças das famílias com nível socioeconómico mais elevado e as crianças que vivem nas zonas urbanas».

Quanto à razão do aumento verificado, Magdalena Muc refere que «pode ser em parte explicado pelas alterações comportamentais e ambientais: vida sedentária, aumento de obesidade (que foi provado ter forte influência na asma), substituição da dieta tradicional (mediterrânea) por uma dieta rica em alimentos processados e com baixo teor nutricional e a poluição do ar».

A investigadora sublinha ainda que «a prevalência de sintomas de asma e rinite em Coimbra é preocupante e os fatores ambientais e de estilo de vida têm um papel importante. Isto significa que muitos dos casos relatados neste estudo poderiam ter sido evitados. Como estas doenças estão associadas a elevados custos económicos para os sistemas de saúde pública, o reconhecimento profundo dos fatores de risco e introdução consecutiva das intervenções no estilo de vida e programas de prevenção são de grande importância. Temos a intenção de divulgar os nossos resultados nas escolas e junto das famílias participantes no estudo, tendo em conta que o acesso à informação e compreensão do problema são as principais armas para combater as epidemias da asma e rinite».

O próximo passo deste estudo será «estudar os fatores de risco envolvidos no desenvolvimento e na severidade dessas duas condições, particularmente fatores socioeconómicos e ambientais, com objetivo de obter uma melhor compreensão dos padrões destas doenças na população infantil de Coimbra. Este é um passo necessário para elaborar programas e projetos mais eficazes de prevenção e intervenção», conclui Magdalena Muc.

São também co-autoras do estudo Cristina Padez, do Departamento de Ciências da Vida, CIAS – Centro de Investigação em Antropologia e Saúde, e Anabela Mota-Pinto, do Laboratório de Patologia Geral da Faculdade de Medicina, ambos da Universidade de Coimbra. O estudo teve o apoio da Fundação para a Ciência e Tecnologia através de uma bolsa de doutoramento (SFRH/BD/66877/2009).

* Consultor científico no projecto Ciência na Imprensa Regional / Investigador na Universidade de Coimbra

web-António-Piedade

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura