18.8 C
Coimbra
Domingo, 26 Junho, 2022
InícioDESTAQUEJogos Olímpicos de Inverno começaram na sexta-feira

Jogos Olímpicos de Inverno começaram na sexta-feira

web-Sochi

A cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno é transmitida hoje, a partir das 16h00, pela Sport Tv, directamente de Sochi, na Rússia. Portugal está representado nos “Jogos” por dois luso-descendentes.

Não se percebe a ausência de transmissão da cerimónia num dos vários canais da RTP, a estação de serviço público de rádio e televisão. Aqui se lavra o protesto do COIMBRA JORNAL.

web2-Sochi

web1-Sochi

INFORMAÇÃO DO COMITÉ OLÍMPICO DE PORTUGAL

Foi um espectáculo memorável a Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos de inverno Sochi 2014. A Missão Olímpica de Portugal foi a 59ª a entrar no Estádio Olímpico Fisht, em Sochi, com Arthur Hanse como porta-estandarte da bandeira nacional.

Para o esquiador luso, esta será uma memória que para sempre perdurará. “Não há palavras para descrever aquilo que senti. Tenho um enorme orgulho em representar Portugal e as minhas raízes. Esse orgulho é ainda maior depois de todas as emoções que senti quando entrei no Estádio Olímpico carregando as cores e a bandeira de Portugal”.

Também Camille Dias estava extasiada com os sentimentos fortes que viveu nas últimas horas. “É uma experiência única na vida. Estar aqui é realizar um sonho, mas só quando entramos no estádio percebemos que não é mais um sonho, mas sim uma realidade. Orgulho é o sentimento mais forte neste momento, por estar em Sochi a representar o meu país”.

O Chefe de Missão, Pedro Farramba, também um estreante em Jogos Olímpicos, destacou a cerimónia. “Foi um evento grandioso, muito bem organizado, com todo o simbolismo do movimento olímpico e uma viagem à história da Rússia. É um privilégio poder assistir ao vivo a todo este espectáculo, mas acima de tudo tenho que destacar a extraordinária sensação que é entrar no estádio e ver o nome de Portugal nos ecrãs”.

CERIMÓNIA GRANDIOSA

Apesar de não ter sido dado o orçamento oficial da cerimónia, pela organização, estima-se um investimento de 51 mil milhões de dólares, o que a confirmar-se faz desta a cerimónia mais cara da história do olimpismo. Foram vários os momentos épicos, tendo o enfoque sido a história do país organizador, a Rússia.

A cerimónia esteve a cargo de Andrei Boltenko, um famoso produtor de entretenimento russo, especializado em eventos televisivos. A coreografia foi da responsabilidade do norte-americano Daniel Ezralow, bailarino e coreógrafo, que já foi responsável por espectáculos internacionais de nomeada, como alguns do Cirque du Soleil, bem como de filmes de Hollywood, onde se destaca Across the Universe, musical tendo por base a discografia dos The Beatles.

Muita dança, jogos de luzes, extraordinários pormenores cénicos (arranha-céus, pontes, catedrais, cavalos voadores, etc.) e música, foram a fórmula de sucesso que certamente fará desta cerimónia um momento inesquecível na história do movimento olímpico.

Houve ainda tempo para os habituais discursos, com destaque para o do Presidente do Comité Olímpico Internacional, Thomas Bach, que apelou a que a paz e festa sejam as palavras de ordem destes Jogos Olímpicos de inverno, naquela que foi a sua estreia como o Presidente do COI nuns Jogos Olímpicos.

O Presidente Russo, Vladimir Putin, foi quem declarou abertos os XXII Jogos Olímpicos de inverno, a partir da tribuna do Estádio Olímpico.

Esta enorme festa terminou com o desfile final da Chama Olímpica, que chegou a Sochi depois de ter viajado por mais de 123 dias e 56 mil kms, onde se incluiu uma viagem ao espaço, tendo passado pelas mãos de mais de 14 mil pessoas, naquele que foi o maior percurso de sempre.

A pira olímpica foi acessa e assim continuará durante a 22ª edição dos Jogos Olímpicos de inverno, até ao próximo dia 23 de fevereiro.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura