19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioNOTÍCIASProf. Jorge Santos terminou a viagem

Prof. Jorge Santos terminou a viagem

web-Jorge-Santos

 

O prof. Jorge Santos, que desenvolveu a actividade em Coimbra, Lousã e Cantanhede, faleceu ontem nesta última cidade. O funeral realizou-se esta tarde para o Crematório da Figueira da Foz.

O COIMBRA JORNAL apresenta sentidas condolências aos familiares, muito especialmente aos irmãos Carlos e Luís.

 

NOTA BIOGRÁFICA
(jornal electrónico O Independente de Cantanhede)

JORGE MANUEL DA CUNHA SANTOS nasceu a 6 de Janeiro de 1950. Foi professor de Educação Especial durante 27 anos num percurso que incluiu a ARCIL, na Lousã, onde foi Coordenador Pedagógico e membro da Direcção, a Divisão de Ensino Especial da Direcção Geral do Ensino Básico e Secundário abrangendo toda a zona Centro do país.
Foi coordenador da Equipa de Ensino Especial de Cantanhede entre 1990 e 1996 e posteriormente, até 2001, foi o responsável pela Equipa de Coordenação dos Apoios Educativos dos concelhos de Cantanhede e Mira.
Integrou a Equipa Multiprofissional de Diagnóstico e Encaminhamento do Centro de Saúde de Cantanhede entre 1991 e 2003 tendo procedido à observação, diagnóstico e posterior encaminhamento de cerca de 900 crianças e jovens.
Entre 1994 e 2001 foi colaborador externo do Instituto de Inovação Educacional do Ministério da Educação, sendo autor de vários artigos e co-autor de quatro obras sobre Currículos Funcionais para alunos com graves problemas de cognição, editados pelo referido Instituto.
No âmbito do Programa Helios integrou um grupo de peritos de vários países da União Europeia a quem competiu a análise de várias situações educacionais nos diferentes países que a compõem e a elaboração de conclusões/recomendações aos vários governos.

Mais recentemente, leccionou cadeiras relacionadas com currículos funcionais em estabelecimentos de Ensino Superior e foi responsável pela Redeinclusão, projecto que faz parte integrante da O.N.G. Cidadãos do Mundo e que visa o desenvolvimento da inclusão educativa e social das crianças e jovens em situação de vulnerabilidade ou marginalização, nomeadamente os que vivem em condições de privação ou abandono, os que são portadores de deficiência ou doenças graves e prolongadas, os refugiados, os que constituem minorias culturais e linguísticas e os que estão, por qualquer razão, excluídos de uma educação formal.

Em 1999, em representação do Ministério da Educação, integrou a então Comissão de Protecção de Menores. Como Presidente dessa Comissão, competiu-lhe fazer a instalação da então nova Comissão de Protecção de Crianças e Jovens de Cantanhede tendo, desde então, assumido as funções de Secretário dessa CPCJ.

Desde 2003, por força da sua aposentação, deixou de representar o Ministério da Educação passando a ser membro da CPCJ de Cantanhede por designações sucessivas da Assembleia Municipal.
Na última reunião da Comissão Alargada da CPCJ de Cantanhede foi aprovada por unanimidade e aclamação a atribuição de um voto de louvor a Jorge Santos.

RELATED ARTICLES

2 COMENTÁRIOS

  1. PERDI UM COLEGA E AMIGO EXTRAORDINARIO ….PERDEMOS TOOS UM GRANDE HOMEM E CIDADÃO PREOCUPADO E LUTADOR DOS DIREITOS DAS MINORIAS !!! ATÉ SEMPRE QUERIDO AMIGO….

  2. Grande professor, grande homem, grande cidadão! Deixa marcas importantes no caminho percorrido em prol da inclusão! Até sempre amigo!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura