13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioNOTÍCIASFaleceu o eng. Jorge Lemos / Funeral hoje, sábado (12h00)

Faleceu o eng. Jorge Lemos / Funeral hoje, sábado (12h00)

web-Jorge-Lemos

Partiu um “homem do Desporto”.
Partiu um amigo.

O engenheiro JORGE MANUEL MONTEIRO LEMOS, ex-vereador da Câmara Municipal de Coimbra e actual vice-presidente da direcção da Associação de Futebol de Coimbra, faleceu ontem, sexta-feira, após doença prolongada.
O funeral realiza-se hoje, sábado, dia 8, às 12h00, na Igreja Matriz de S. Martinho do Bispo, em Coimbra.

MINUTO DE SILÊNCIO
A Associação de Futebol de Coimbra determinou um “minuto de silêncio” em todos os jogos das competições de futebol das competições distritais agendados para hoje e amanhã, sábado e domingo.

DEPOIMENTOS (“Campeão das Províncias“)
Carlos Cidade, vereador da Câmara de Coimbra e anterior presidente da Comissão Política Concelhia do PS, recorda Jorge Lemos como «um homem sempre disponível e que gostava muito da sua cidade».
O contacto entre os dois aconteceu, sobretudo, durante o período em que Lemos era vereador e Cidade chefiava o gabinete de Manuel Machado.
Para além da grande preocupação com as questões de índole desportiva, Carlos Cidade evoca, ao nosso Jornal, «a memória de uma pessoa com um espírito de esperança e grande abertura, mesmo nos momentos mais difíceis da doença»”.
Carlos Clemente, ex-presidente da Junta de Freguesia de S. Bartolomeu, também ficou consternado com a morte de Jorge Lemos.
«Perdi um irmão, que era uma figura ímpar, amigo do amigo, que construía amizades e que nunca esquecerei», disse, ao “Campeão”, sublinhando que se tratava de «um homem sério, exigente, que sabia estar e sempre empenhado na defesa da causa pública».
Nas últimas eleições autárquicas, Jorge Lemos foi o candidato socialista à presidência da Assembleia da União de Freguesias de S. Martinho do Bispo e Ribeira de Frades. Contudo, porque o seu estado de saúde era já débil, acabou por não tomar posse.
Vice-presidente da Associação de Futebol de Coimbra, defensor do desporto, de que foi destacado praticante, nos últimos anos estava ligado ao Clube de Veteranos do Atletismo de Coimbra (CLUVE). Era, ainda, presidente da Casa do Povo de S. Martinho do Bispo.

RELATED ARTICLES

4 COMENTÁRIOS

  1. É sempre triste quando ao abrirmos um jornal nos deparamos com a notícia da partida de alguém conhecido e com quem privámos nalguns percursos da nossa vida. Foi a vez do “Amigo” Jorge Lemos, pessoa de extrema educação e sensibilidade que certamente permanecerá na lembrança de todos os que tiveram a oportunidade de travar conhecimento com ele. Boa viagem.

  2. Um homem bom. Que deixa saudades até ao dia em que nos encontrarmos com ele. A morte é um momento da vida, como o nascimento. E são solitários, de intimidade.

  3. Quis o destino apanhar-me em Lisboa no dia da sua passagem para o outro lado da margem….
    Foi um cidadão exemplar, homem de grandes causas. Homem dinâmico, tendo desempenhado importantes cargos de decisão na sociedade, nomeadamente como Vereador da CMC.
    Foi um exemplo e referência incontornável desta cidade de Coimbra, deixando nos nossos corações uma saudade e uma recordação infindas.
    Diante da sua sisífia labuta e ao mesmo tempo que se deparava com a extinção do corpo orgânico que é um símbolo insuperável da grande e subjacente doutrina da imortalidade, da prevalência do espírito e da existência de outra vida – para alguns – além dos umbrais da morte, o Amigo Jorge Lemos não morreu, apenas passou para a outra margem mas sentimos todos que ele está connosco porque assim sempre o recordaremos. Até um dia AMIGO Jorge Lemos.

Responder a Mateus Barreirinhas Cancelar resposta

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura