17.7 C
Coimbra
Domingo, 5 Fevereiro, 2023
InícioDESTAQUEEDITORIAL / Originalidades portuguesas

EDITORIAL / Originalidades portuguesas

O que aconteceu no ESTÁDIO DA LUZ não é normal. E levanta muitas questões de segurança.

Um estádio construído há 10 anos não pode “desfazer-se” pela acção do vento, como se viu ao fim da tarde de anteontem. E nem sequer foi a primeira vez que tal aconteceu: a 19 de Fevereiro de 2013 (há cerca de um ano, portanto) o jogo Benfica B-Feirense foi adiado pelo mesmo motivo.

Como se já não bastassem as questões relacionadas com a violência, nas imediações dos estádios e nas bancadas, os adeptos têm agora um novo motivo de preocupação: a solidez dos próprios estádios.

As avultadas verbas públicas destinadas aos estádios do Euro 2004, sinal de novo-riquismo num país estruturalmente pobre, não podiam ter final mais triste.

* * *

A Escola Nacional de Saúde Pública divulgou um novo “RANKING” DOS HOSPITAIS. O melhor de todos é agora o Hospital de Coimbra, mas a notícia foi conhecida através de jornais de… Lisboa e do Porto.

No sábado, vários meios de comunicação social (“Público”, Diário de Notícias”, “Jornal de Notícias” e “Expresso”, entre outros) noticiaram com grandes destaques a classificação dos hospitais portugueses. “Diário de Coimbra” e “Diário As Beiras” não tiveram acesso à informação. O primeiro noticiou o facto um dia depois, com destaque. O segundo, prejudicado pelo facto de não ter edição dominical, referiu-se-lhe brevemente, numa coluna, no jornal de segunda-feira.

A situação não é nova. Por um lado, as “entidades nacionais” esquecem-se normalmente dos denominados “jornais da província”, mesmo que alguns deles tenham tiragens superiores (logo, maior audiência) do que os ditos “jornais nacionais”. Por outro, porque este tipo de atitudes não merece qualquer reparo dos responsáveis dos jornais de Coimbra.

Esta atitude de “Come e cala-te” é uma das razões para o desprestígio da Imprensa Regional. Medrosos, querendo “estar de bem com Deus e com o diabo”, vão cavando assim mais alguns centímetros da própria sepultura. Porque não assumem o protesto de forma clara, com a espinha vertebral bem direita, na vertical.

* * *

Que o Governo contrate em regime de “outsourcing” os serviços de uma telefonista da Presidência do Conselho de Ministros diz-nos mais sobre a situação do país do que muitos tratados e análises políticas.

Pena é que o Povo não possa fazer o mesmo relativamente a pelo menos alguns dos decisores políticos.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura