13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioNOTÍCIASA carta de Ricardo Castanheira

A carta de Ricardo Castanheira

web-carta-RC

À Comissão Federativa de Jurisdição do PS/Coimbra

Processo 5/2014

 

Acabo de ser notificado da minha expulsão/suspensão do Partido Socialista, em Coimbra.
Alguns bons Amigos sugeriram que fizesse apelo ao Direito para contestar a acusação; mas não segui a indicação, pois, de tão frágil e ignóbil, a dita merece apenas estas parcas linhas.

Motivo da expulsão/suspensão: ter demonstrado entusiasmo (com outros ilustres cidadãos, entre os quais socialistas) por um movimento cívico e supra-partidário – repito cívico e supra-partidário – em Coimbra, nas últimas eleições municipais.
A (única) prova apresentada: o texto seguinte, que escrevi, em 4 de Março de 2013, para o “Movimento de Cidadãos por Coimbra”:
«Num mundo globalizado as cidades readquiriram relevância enquanto espaços de criatividade e de produção intelectual, cultural e económica. Coimbra tem todas as condições para ser uma cidade com um futuro tão grandioso quanto o seu passado. O atavismo não é uma fatalidade. Este movimento novo, plural e eclético apresenta-se como um sinal dos tempos e de esperança. Tudo, por Coimbra!»

Muitas conclusões se poderiam tirar deste sinuoso processo que me foi movido e da correspondente acusação. Mas, ainda não é o tempo e, por isso mesmo, ficarei apenas por algumas considerações, que julgo as mais pertinentes.

A primeira, por ser a mais grave, é que existe delito de opinião no Partido Socialista de Coimbra. A prova produzida (texto acima) demonstra cabalmente que não existe liberdade de pensamento nem de ação. É tudo uma farsa que enche a boca dos que discursam com flácida pompa e nenhuma circunstância. Em alguns casos, com certeza, tiques ainda de partidos por onde já passaram…

Ao escrever o presente testemunho recordei, por diversas vezes, Mário Soares e Manuel Alegre. Pelo que ajudaram a definir o PS como o Partido da Liberdade. Pelo que contribuíram para as liberdades em Portugal. E, também, porque quando estiveram, recentemente, em candidaturas presidenciais opostas nenhum militante socialista foi expulso ou suspenso (e bem!) nos seus direitos por ter assumido a liberdade de apoiar um (Alegre) em detrimento do outro (Soares), ainda que tal representasse estar contra a decisão formal dos órgãos nacionais do Partido!..
Aliás, o resultado do movimento cívico de apoio a Manuel Alegre foi, posteriormente, importante para o próprio PS. Afinal de contas, é o próprio PS que, de há vários anos a esta parte, estimula e apoia o aparecimento destes movimentos de abertura à sociedade civil: não foi assim com os Estados Gerais de António Guterres?.. Não foi assim com as Novas Fronteiras de José Sócrates?.. Não é isso que AJ Seguro pretende com o Movimento Novo Rumo?.. Afinal de contas, esses apelos aos movimentos de cidadãos que exorbitem as paredes do partido eram/são genuínos ou oportunistas?!..

Mas, onde estão violados os princípios basilares do PS naquela minha declaração?… O meu texto, que serve de único elemento de prova na acusação, ensombra ou ofende a orientação política do PS?.. Agride a honra dos dirigentes ou militantes?.. Não creio! Quando o escrevi pensei muito mais no desmando da gestão PSD dos últimos anos que no próprio PS, confesso!

Ao tomar a decisão de escrever o mencionado texto nada me foi prometido, nem recebi algo em troca. Nada! Fi-lo por imperativo de consciência e por Amor a Coimbra.
Aliás, apesar de estar há três (3) anos a viver a muitos milhares de kilómetros de Coimbra continuo a acompanhar diariamente o que aí se passa e a exercer a minha cidadania (ainda que virtualmente) como se nunca tivesse saído de lá.
Eu saí de Coimbra, mas Coimbra nunca saiu (nem sairá) de mim!

Mas, seguindo a lógica, e hipoteticamente dando razão aos que requereram e aos que ditaram o meu afastamento, então, significa literalmente que o atual PS/Coimbra entende que:
– Num mundo globalizado as cidades NÃO readquiriram relevância enquanto espaços de criatividade e de produção intelectual, cultural e económica.
– Coimbra NÃO tem todas as condições para ser uma cidade com um futuro tão grandioso quanto o seu passado.
– O atavismo É uma fatalidade.
– Os movimentos cívicos, enquanto espaços plurais e ecléticos NÃO se apresentam como um sinal dos tempos e de esperança.
Se o que escrevi ofende, então só o seu contrário pode merecer a concordância!.. Não é assim?..

Nasci em Coimbra. Quero-a com todos os seus defeitos e virtudes. Há muito que lhe jurei fidelidade e, por isso mesmo, não aceitarei nunca um qualquer destino que lhe desejem impor. Seja que partido for!
Primeiro Coimbra. Sempre. Só depois, muito depois, os diretórios partidários! Estes existem para servir a democracia e, com isso, ajudar a construir projetos de cidadania melhores. Supostamente…

O PS ganhou as últimas eleições autárquicas em Coimbra? Sim, sem dúvida. E Coimbra, ganhou? Não sei!
A verdade é que observados friamente os resultados deve refletir-se! Senão vejamos: Manuel Machado é, hoje, o Presidente da Câmara eleito com a menor percentagem de votos em relação ao número de eleitores: 17,5%. Ou seja – e isto são números e não opinião – 82,5% dos eleitores do concelho de Coimbra não votaram no PS. Não vale a pena refletir nisto?..
Mais ainda, pela primeira vez, o número de eleitores que, em Coimbra, não quiseram fazer uma escolha taxativa – ou seja, somada a abstenção, os votos em branco e nulos – foi superior aos que fizeram a opção no candidato A, B e C. Também este fato não merece ponderação?..
Estes números são o reflexo irrefutável de uma saturação profunda e de um descontentamento popular perante a organização dos partidos políticos em Portugal.

Os partidos em Portugal ainda não compreenderam o que se está a passar no Mundo e o PS, em Coimbra, não compreendeu o que se está a passar em Portugal.
Pois bem, foi antevendo que isto poderia (e iria) acontecer que há muito defendo, e escrevo, que Coimbra deveria dar o exemplo ao país de um projeto supra-partidário para desenvolver e modernizar a cidade. Supra-partidário quer dizer também com os partidos e os militantes dos mesmos e não contra os partidos ou contra os militantes destes.
A isto chama-se opinião e convicção, cuja razão o tempo cuidará ainda mais de comprovar, mas por isso sou acusado e por isso se propõem expulsar-me/suspender-me.

Mas, importa dizer bem alto, que: além da consciência muito tranquila, acresce ainda o orgulho de ser afastado do Partido Socialista pela simples razão de ter opinião. É, obviamente, um bom motivo! Sobretudo num partido (em Coimbra) onde outros “camaradas” ainda continuam tranquilamente a militar, apesar das condenações judiciais, das violações à ética republicana, das falsificações de fichas, das múltiplas investigações criminais e afins. Dois pesos, duas medidas…

Finalmente, importa explicar esta coisa da expulsão e da suspensão.
Começaram, na acusação, por lavrar todo um raciocínio que conduziria inelutavelmente à expulsão (recorde-se, com base no texto que acima transcrevi!). E, eis que subitamente, advogam apenas pelas suspensão dos direitos por 18 meses. Pois bem, para que fique claro: dispenso a indulgência política, o cinismo acusatório e a covardia. Repugna-me a ficção da acusação da primeira à última linha, pelo que decido sair pelo meu próprio pé e não gastarei mais cêra com tão maus defuntos!
Talvez já o devesse ter feito há muito tempo, mas a esperança na mudança das práticas e das pessoas foi-me fazendo ficar. Agora, chegou a hora!

Mas vou andar por aí!..

Ricardo Castanheira

Brasilia, 14.02.2014

PS – O cartão de militante seguirá por correio.

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Grandes atitudes, grande dignidade, só de grandes HOMENS! Não digo isto pelo facto de não pertencer ao ps, mas sim por uma questão de justiça e reconhecimento do bom carácter que já vai escaceando na sociedade em que vivemos! Parabéns e vá andando por aí que bem precisamos de pessoas que não vejam na política apenas um jogo de interesses!
    Os meus melhores cumprimentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura