13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUECoimbra está na moda

Coimbra está na moda [texto actualizado]

web-Personalidades

Impressionante. É esta a palavra que melhor define o que está a suceder em Coimbra nos últimos anos: personalidades de diversos sectores assumem posições de relevo na vida nacional. [Com uma excepção, a Política, apesar do actual  primeiro-ministro ter “Sé Nova – Coimbra” como naturalidade no bilhete de identidade.] E muitos outros suscitam a atenção dos “media”.

O ex-bastonário dos advogados (António Marinho) e o bastonário dos médicos (José Manuel Silva) são “made in Coimbra”. Tal como o provedor de Justiça. A nova bastonária dos advogados, Elina Fraga, tirou aqui o curso. Olhando as próximas eleições europeias: Marisa Matias (Bloco de Esquerda) e António Marinho (Movimento Partido da Terra) são os primeiros candidatos conhecidos. E são ambos personalidades da vida coimbrã.

Mário Nogueira, líder da Fenprof, chegou à cidade por volta dos 18 anos de idade, cá tirou o curso, na Escola do Magistério Primário, e por cá ficou. É uma personalidade de “nível nacional”. O novo director de informação da RTP, José Manuel Portugal, tem toda a “vida activa” ligada a Coimbra. Idem, idem quanto ao reitor da Universidade, que foi aluno do Liceu D. João III. E o novo secretário-geral da UGT, Carlos Silva, também tem fortes ligações à cidade e à região.

Mas não só. As referências a Coimbra nos “media” nacionais são quase diárias – embora nem todas delas o sejam por bons motivos. No curto espaço de duas semanas, a RTP veio a Coimbra apresentar o “Prós e Contras”. O primeiro sobre a Praxe, o de ontem sobre a Saúde. Os HUC foram classificados em 1.º lugar no “ranking” dos hospitais portugueses. Na área desportiva, tem estado em destaque nas notícias dos últimos dias o coordenador dos observadores dos árbitros de futebol, o conimbricense Emídio Fidalgo. No passado sábado, Miguel Sousa Tavares referiu-se na crónica do “Expresso” a três professores de Direito conimbricenses: Calvão da Silva, Costa Andrade e Figueiredo Dias. O “Diário de Notícias” de hoje fala de Paulo Pereira Coelho «técnico especialista para a diplomacia económica» do actual Governo, num texto intitulado “Empresário à borla para assessorar diplomacia económica”. E na semana passada o “Correio da Manhã” deu relevo de primeira página ao presidente da Comissão de Coordenação, o também professor universitário Pedro Saraiva.

Isto para não falar das reportagens televisivas sobre a Sanfil (SIC) e sobre as escolas com contrato de associação com o Estado (TVI) que levaram o nome de Coimbra a entrar em casa de milhões de telespectadores. Tal como, aliás, sucedeu com a repetida inundação do Parque Verde pelas águas do Mondego. Ou, há alguns meses, com a declaração da Universidade como “património da Humanidade”. Ou, ainda, das várias presenças de Helena Freitas nas páginas de jornais e nos canais de televisão, como aconteceu ainda hoje no “Praça da Alegria”, para falar do protocolo estabelecido com o Parque da Gorongosa (Moçambique).

Em conclusão: Coimbra tem estado, como há muito não sucedia, na primeira linha da informação em Portugal. O que será, talvez, um bom motivo de estudo para especialistas da área da Sociologia.

ADITAMENTO (em 19 de Fevereiro, 20h30)

Embora o texto acima publicado não tenha o intuito de ser exaustivo, há dois nomes que merecem ser acrescentados: Manuel Machado e Rodrigo de Matos.

O político socialista foi eleito presidente da Associação Nacional dos Municípios Portugueses, protagonizando assim um salto gigantesco depois de ter conquistado a presidência da Câmara de Coimbra com a menor votação de sempre, tanto em termos absolutos (número de votos) como em termos relativos (percentagem).

O cartoonista do “Expresso”, que se licenciou em Jornalismo na Universidade de Coimbra, arrecadou recentemente os 8.000 euros do Grande Prémio Press Cartoon Europe com um trabalho, publicado no semanário Expresso em Novembro do ano passado, sobre futebol e a crise económica portuguesa.
Rodrigo de Matos tem uma história de vida fascinante. É um português de Angola, viveu 15 anos no Brasil, completou o ensino secundário em Portimão, licenciou-se em Coimbra, trabalhou alguns anos como jornalista, foi para Espanha «onde se diplomou com distinção no curso de Ilustração Editorial e de Imprensa», em Madrid, é colaborador permanente do “Expresso” e… vive em Macau (China).

cartoon Rodrigo de Matos

O cartoon com o qual Rodrigo de Matos conquistou o  Grande Prémio Press Cartoon Europe

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura