13.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 20 Maio, 2022
InícioARTESSolidão pode alterar o cérebro

Solidão pode alterar o cérebro [António Piedade]

web-solidao

 

ANTÓNIO PIEDADE *

A espécie humana é social. Estar só, sem contactos sociais e afectivos, é por isso algo contrário à biologia humana. Não é por isso de estranhar que a solidão possa afectar o estado de saúde.

Num trabalho publicado na revista “Neurobiology of Learning and Memory”, cientistas do Departamento de Psicologia da Universidade Nacional de Educação à Distância em Madrid, Espanha, mostram que a solidão prolongada na idade adulta produz alterações cerebrais, prejudicando a memória e a capacidade de aprendizagem.

Os investigadores usaram nas suas experiências, como modelo animal, roedores da espécie Octodon degus. No estudo agora publicado, os cientistas verificaram, nos roedores sujeitos a isolamento prolongado, uma redução substancial no volume do hipocampo, uma região cerebral que sabemos ser fundamental para a memória e para a aprendizagem.

Embora as conclusões do estudo não possam ser extrapoladas directamente para seres humanos, os investigadores sugerem no seu estudo alguns paralelismos. De facto, a investigação parece indicar que as relações sociais entre as pessoas, principalmente nos idosos, representam um factor importante a ter em conta para que o cérebro se mantenha são e para que as funções cognitivas não se deteriorem.

Este estudo vem assim sublinhar a importância da integração activa dos idosos na vida da sociedade, contra a tendência crescente e desumana do seu isolamento. Nesta sociedade em que hoje vivemos, em que a longevidade está a aumentar, fruto dos avanços da ciência e da medicina, importa que os idosos vivam com a qualidade de vida digna de qualquer ser humano. E essa passa muito pela exclusão da solidão no entardecer suas vidas.

Este estudo, que aqui se divulga, é assim uma chamada de atenção à importância da inclusão de todos os idosos na sociedade, de forma activa e participativa.

A propósito, refira-se o papel importante que a Associação Nacional de Apoio ao Idoso tem desenvolvido em Coimbra, assim como o relevante e pioneiro projecto em Portugal designado por Ageing@Coimbra: «Enquanto Região Europeia de Referência, o projecto Ageing@Coimbra deverá identificar, implementar e replicar projectos e programas de boas-práticas inovadoras no domínio do Envelhecimento Activo e Saudável. As boas-práticas identificadas em regiões de referência poderão ser replicadas noutras regiões da Europa, abrindo espaço para a inovação social e para o reforço da competitividade da indústria europeia de inovação no domínio da geriatria e do apoio ao idoso».

Sociabilize-se para envelhecer com maior qualidade de vida.

 * Consultor científico no projecto Ciência na Imprensa Regional / Investigador na Universidade de Coimbra

Antonio-Piedade-faixa

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura