13.9 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022

“FDP” [Salvador Massano Cardoso]

web-Telecomunicações

SALVADOR MASSANO CARDOSO *

Gosto de cumprir com certas formalidades. Tive necessidade de entrar em contacto com duas empresas de telecomunicações portuguesas, explicando-lhes a necessidade de cancelar dois contratos, um de televisão e outro de telefone. Disse quais as razões, o titular das mesmas é um familiar que não necessita, nem nunca mais vai necessitar, daqueles serviços. Explicaram-me o que deveria fazer, e fiz. Enviei os elementos necessários ao cancelamento. Quanto à outra, foi um desatino o diálogo com o interlocutor. Um desatino que me pôs meio louco. Expliquei vezes sem conta as razões e recebi em troca pedidos impossíveis quase a raiar a obscenidade. Fiquei de boca aberta. Expliquei-lhe novamente as razões, mais do que pertinentes, quase que me apetece dizer, fatais, mas, do outro lado, o discurso parvo e sem sentido continuava em estado de puro anedotário. Fiquei com a sensação de que estão instruídos para evitar a todo o custo o não cancelamento dos contratos, mesmo quando as razões apontadas atingem o limite máximo do impedimento. Cretinos. Pensei. Fiquei com uma urticária a ponto de não conseguir ouvir o nome da empresa. Escrevi, juntei a documentação, e enviei uma carta de protesto à direção da dita. Pensei, não passam de uns filhos da puta!

Quanto à segunda fiz tudo direitinho de acordo com a informação de um colaborador. Enviei o pedido com os elementos de identificação e até fui mais longe ao descrever a razão da cessação. Hoje, telefonaram-me. Queria falar com o titular. Não sei se devia rir ou chorar. Expliquei-lhe que o mesmo não podia, nem nunca mais vai poder. Entrou de seguida a perguntar o motivo do pedido de cessação, se era por causa de alguma insatisfação ou outro motivo relacionado com a empresa. Fiquei estupefacto e tentei controlar-me, dizendo-lhe novamente o que tinha dito logo de início. Um diálogo doloroso a raiar a obscenidade e a faltar ao respeito de um cidadão. As coisas não ficaram por aqui. Queria que o titular assinasse. Fiquei com um aperto e uma vontade de o mandar ao sítio mais adequado. Tentei controlar-me perante tão lamentável comportamento. Expliquei que tinha feito tudo certinho de acordo com as informações da sua empresa. Nada feito. O tolinho, estúpido ou a fazer-se de estúpido, cumprindo naturalmente ordens para dificultar ou, quiçá, impedir a cessação do contrato continuava na sua estranha, complexa e ridícula exigência. Respirei fundo e com os dedos a tremer registei os dados solicitados. Afinal o que tinha enviado não era suficiente. Para cancelar um contrato é preciso certas formalidades que são a antítese das facilidades inerentes à sua realização. Ainda cheguei a perguntar se não quereria esperar mais uns dias para poder enviar a certidão de óbito, entretanto ainda podiam mamar mais alguns euros.

Pensei. É um horror dialogar com certas empresas. Um tormento. Uma ofensa. Um sentimento de humilhação invade-me com frequência. Fiquei com um amargo na mente onde espetei um placa com os seguintes dizeres, “filhos da puta”. Nunca mais vou conseguir tolerar ou ouvir os seus nomes. Foi duro. Foram cruéis, indelicados, despropositados e, até, mesmo ofensivos.

* Médico e professor universitário

web-Salvador-Massano-Cardoso

Artigo anteriorDiário As Beiras (dia 21)
Próximo artigoRicardo Castanheira
RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Senhor Doutor, entendo perfeitamente a sua indignação e FDP é a designação correcta para o relacionamento que certas empresas mantêm com o seus clientes sobretudo na hora de desvincular. Ainda me lembro da novela que foi a minha mudança da PT/sapo para a Optimus/Clix; mas novela mais hilariante foi quando mudei o meu contrato da Optimus/Clix para a Optimus/Zon.
    No primeiro caso depois de 6 meses a enviar facturas quando eu achava que o saldo era zero chegaram à brilhante conclusão que afinal eu tinha um credito de 6€!!! E mandaram o cheque. 🙂
    No segundo caso foi o que se pode dizer, o típico de como a incompetência comercial pode apagar e fazer esquecer a demonstrada competência técnica. Para se ter uma ideia apareceram-me em casa vendedores da ZON a dizer que eu tinha sido enganado pela ZON!!! E tinha!! E o pior é que foi difícil e necessário mostrar mau feitio para que o engano se desfizesse.
    Esta gente parece que estudou pelo livro “1001 maneiras de perder um cliente”. Deve ser porque têm muitos. Demais!
    Um reparo Senhor Doutor, se o seu artigo chamasse os bois pelos nomes seria serviço publico, assim não passa de um desabafo, legitimo, mas injusto para as outras empresas de telecomunicações, pois ainda tenho esperança que haja, no sector, quem se saiba comportar e tratar os clientes com seriedade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura