19.3 C
Coimbra
Quinta-feira, 29 Setembro, 2022
InícioDESTAQUEProjecto morto em Coimbra ressuscitou em Braga

Projecto morto em Coimbra ressuscitou em Braga

A (triste) história conta-se em poucas palavras: enquanto presidente da Comissão de Coordenação da Região Centro, Norberto Pires elaborou um projecto, o InvestCentro, para desenvolver a região. Foi proibido de o apresentar publicamente, desobedeceu e… acabou a apresentar a demissão do cargo.
Dois anos depois, o “mesmo” projecto aparece em… Braga.

É difícil classificar esta situação. Mas é fácil concluir que a Região Centro foi prejudicada, mais uma vez. E que se tivesse uma voz forte (que não tem), este seria o momento de pedir responsabilidades a alguém. Mas, como sempre, por cá continuaremos “cantando e rindo”.

O texto de Norberto Pires, que a seguir se reproduz, relata o episódio em detalhe.

web-invest_centro-1

TEXTO PUBLICADO POR NORBERTO PIRES no blogue (re)Visto

Gostava de vos dar conhecimento de algo importante através de quatro “links” e uma pequena introdução.

Em 2012 era presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC). Fui impedido de lançar o projecto InvestCentro, cinco minutos antes de o apresentar num Conselho Regional do Centro, no final de Junho de 2012, e depois de ter feito todo o trabalho de preparação.

A razão que me apresentavam era simples: tinha desenvolvido a ideia com a equipa da CCDRC e lutando pelos interesses da Região Centro, de acordo com o seu programa de acção, dando conhecimento à tutela, mas sem esperar ser tutelado. Ou seja, fui pró-activo e cumpri a minha missão. Farei sempre assim. Habituem-se.

Duas semanas depois tinha pedido a demissão do cargo, onde estive cinco meses.

Hoje (7 de Março de 2014) vi nos jornais uma cópia desse projecto, lançada em Braga. O mesmo nome, as mesmas parcerias, as mesmas ações, tudo “aparentemente” igual… Quando se “inspiram” no que fazemos e propomos, é porque as nossas ideias são boas, certo? Pena, e é isso que me importa, que no Centro a coisa não tenha avançado e tenha sido metida na gaveta. Explica muita coisa.

DOCUMENTOS COMPROVATIVOS

A apresentação do projeto InvestCentro
Documento entregue no Conselho Regional do Centro
TEASER (vídeo de 3 minutos)
versão de BRAGA

Como dizia, recebi um telefonema no Conselho Regional a proibir de apresentar o InvestCentro. Desobedeci, claro, porque defendo sempre, em primeiro lugar, os interesses da região, e por isso…

Mas afinal, dois anos e meio depois, o InvestCentro, sem qualquer referência, aparece sob a forma de InvestBraga. E ainda bem, não tenho nada contra. Espero que apareçam outros, seguindo o mesmo modelo que defendo: um modelo regional.

Que tenham sorte, este e outros “Invest”, porque Portugal precisa de investimento, nomeadamente Investimento Direto Estrangeiro (IDE), para sair da situação em que está. É esse o meu desejo 🙂

Nota (9/3/2014): Estas coisas têm, devem, ser feitas a nível regional, procurando equilíbrio e tendo todos os municípios envolvidos. A visão tem de ser regional… O InvestCentro era, e vai ser concretizado porque eu nunca desisto, uma plataforma regional que encarava a região como um todo e procurava explorar as sinergias locais. É nessa perspectiva que podemos fazer a diferença. Espero que os fundos comunitários, porque tudo isto se orienta agora para fundos, não apoiem iniciativas muito localizadas porque só contribuirão para desequilíbrios e pulverização de de esforços. Coordenação regional, política regional e atenção aos territórios, procurando a diferenciação local, de acordo com as potencialidades de cada cidade – é isso que defendo. A política de cidades tem de ver o território de forma multi-polar e isso precisa de uma visão global, pelo menos regional, e tem de ter a preocupação de olhar para o conjunto. Foi assim que foi pensado, concebido e montado o InvestCentro.

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Parabéns Professor!! O Invest.. é uma grande ideia e com futuro!.
    Mas a saída da CCDRC – demissão!!- deveu-se a esta questão!!??
    Quando a história – breve – se fizer Coimbra e Portugal ficará a saber o porquê, claro. E irá ver o que ganhou!!… ou perdeu Professor!!
    O pote era grande e dourado!!!!
    O meu Amigo merece muito mais, claro!!
    Força Professor!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura