19.3 C
Coimbra
Quinta-feira, 29 Setembro, 2022
InícioDESTAQUEUm nascimento atribulado

Um nascimento atribulado

MÁRIO MARTINS

São muitas as memórias relacionadas com o nascimento do Diário As Beiras, há 20 anos atrás, no dia 15 de Março: as instalações precárias (o jornal ocupou o espaço de uma antiga fábrica de descasque de arroz, em Taveiro), os computadores, a criação da rede de correspondentes (que levou à publicação de um anúncio no… Diário de Coimbra), os demorados almoços de quase todos os dias, a decisão de trocar o maior jornal português da altura (o Jornal de Notícias) por um projecto em embrião, o aumento de salário logo no primeiro mês (!), a organização das fotografias (eram… diapositivos), o recrutamento da “equipa do Desporto”, etc., etc.

Falar de todos estes assuntos num único texto é impraticável, sobretudo no ambiente da internet, mas escolher um tema entre tantos também não é nada fácil.
Por isso, decidi escrever vários textos, cada qual sobre um aspecto específico da gigantesca aventura que é o lançamento de um jornal diário. Faço-o com prazer. Por um lado, porque me permite recordar a participação activa no projecto. Por outro, porque foram tempos felizes, apesar de um ou outro “mas”.

O DIA 14 DE MARÇO DE 1994

A publicação do Diário As Beiras andava a ser preparada, pelo menos, desde Outubro do ano anterior. Em finais desse mês, princípios de Novembro, convidaram-me a integrar a equipa. Recusei o convite, por razões éticas: tinha assumido em Junho de 1993 o cargo de coordenador da secção de Política/Economia do Jornal de Notícias e não me parecia correcto abandoná-lo tão precocemente.
Em meados de Janeiro, porém, decidi aceitar o convite e regressar, de “armas e bagagens”, a Coimbra. [As motivações serão explicadas noutro texto.] E comecei, entusiasmado, a preparar o trabalho: fazer nascer do zero uma secção de Desporto.

No dia 14, como habitualmente, estava sentado à secretária quando, ao final da manhã, os dois investidores do jornal (António Abrantes e António Teixeira) entraram na Redacção e disseram, categóricos, aquilo que para mim era impensável: “O jornal sai amanhã!”.
Estavam fartos de esperar.

Tentei demovê-los, salientando que ainda não tinha sido feito qualquer “número 0”, que ainda não tinha sido impresso qualquer jornal e que seria um risco tremendo fazer sair o jornal, assim de repente, no dia seguinte.
Mas eles estavam determinados. Deveriam ter tomado a decisão no fim-de-semana e nessa segunda-feira, dia 14, entraram no jornal para anunciar um facto consumado. E assim foi.
Ainda fui falar com o director do jornal, o advogado Joaquim Rosa de Carvalho, alertando-o para os perigos. Concordou comigo, foi falar com os proprietários, mas nada conseguiu. O Diário As Beiras iria mesmo para as bancas no dia seguinte.

E foi. Tarde e a más horas, mas foi.
Depois de uma noite quase dramática, porque a máquina de imprimir começou a rodar e… partiu.
Foi por causa disso que, no primeiro dia do Diário As Beiras, só houve exemplares impressos quando o sol já ia bem alto. Por volta do meio-dia.

w-jornal1pagina

Os problemas de impressão do n.º 1 do Diário As Beiras são bem visíveis nesta foto. O jornal fotografado é o existente na Biblioteca Municipal de Coimbra

RELATED ARTICLES

1 COMENTÁRIO

  1. Agora que falas nisso, Mário, o número 0, sempre em preparação, “abortou”? Nunca chegou a ver a luz do dia, nem pelas 12h 00 TMG. Sorte a minha – e de outros -, simples repórteres que se não preocupam com assuntos maiores!? Gente boa, e valente, naquela redacção . Não muitos mas muito bons 😀

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura