19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioDESTAQUERyanair vs TAP: necessitará a TAP de uma saída à irlandesa?

Ryanair vs TAP: necessitará a TAP de uma saída à irlandesa?

w-TAP

 

FRANCISCO CALEIRA *

Comparar a Ryanair com a TAP Air Portugal é como, diga-se, advinhar o resultado de uma partida entre o Barcelona e uma equipa dos campeonatos distritais portugueses. Ou seja, uma goleada incontornável. As diferenças operacionais amenizam quando se coloca a TAP ao lado da Aer Lingus sem, mesmo assim, evitar uma humilhação de 27 milhões de euros. Pelo meio destas observações consigo, no entanto, encontrar um denominador comum enquanto cliente e, em ambas – TAP e Ryanair-, por maus services prestados.

Dificilmente a TAP Air Portugal pode ser comparada à Ryanair. A companhia de Michael O’Leary apresenta 569 milhões de euros de lucro operacional contra 34 milhões de euros da transportadora nacional, em 2013. Seria, talvez ,mais justo, comparar a TAP com a estatal irlandesa Aer Lingus. Contudo, ainda nesse campo a TAP fica atrás. Contudo, em 2013, a TAP ficou 27 milhões de euros por baixo da Aer Lingus que, curiosamente, é detida em 25% pela Ryanair.

Complicado, não? Não! A Ryanair opera diversas rotas a nível continental na Europa, não se limitando a ter a sua frota estacionada na Irlanda, tendo, mesmo, em Espanha, ultrapassado a Iberia em número de passageiros transportados para fora, e, para dentro, do país vizinho. Os resultados da maior low-cost da Europa são reflexo da gestão frugal da companhia do senhor O’Leary.

Tornar-se ia mais fácil comparar a TAP com a Aer Lingus. Ambas são companhias debaixo da alçada dos respectivos governos nacionais. Mas, a TAP aqui, entra, também, a perder. Como referi anteriormente, a Aer Lingus é detida em 25% pela Ryanair e e esteve perto de ser absorvida pela Ryanair, não fosse a recusa do estado irlandês em vender os restantes 75% da companhia a Michael O’Leary, evitando o monopólio do transporte aéreo irlandês e o nascimento da maior transportadora aérea da Europa à frente do grupo KLM/Air France – curiosamente outro grupo com participação irlandesa.

Goleada pela Ryanair, a TAP poderia encontrar um termo de comparação com a Aer Lingus. Ambas transportam o mesmo número de passageiros por ano – mais coisa, menos coisa. O que dá que pensar é que com o mesmo número de passageiros e, com tarifas, em média abaixo da TAP, como é que é possível ter um resultado peracional 27 milhões de euros acima dos resultados operacionais da companhia administrada por Fernando Pinto – o tal que se orgulha de apertar os cordões à bolsa na gestão da companhia. Necessitará a TAP de uma saída à irlandesa?

Tiradas as conclusões entre as diferenças entre as companhias irlandesas e a TAP. Vamos aos pontos comuns que encontrei enquanto passageiro. Em relação à Aer Lingus, nada tenho a apontar. Trata-se de uma companhia de bom trato para com os clientes, atenciosa e cordial. A TAP, excepção feita a quatro viagens à Madeira, tudo quanto foi destino internacional afundou-se em barraca total. Atrasos em Milão, Paris e Bruxelas, com justificações parcas ou inexistentes, ao mesmo estilo que a Ryanair teve em Londres num dia de neve, forçando-me a mim e aos outros passageiros a permanecer das 20 horas até às 4 da manhã do dia seguinte no aeroporto sem qualquer tipo de informação ou esclarecimento.

De qualquer das formas, se alguma vez optar por utilizar a Ryanair, prepare-se para voar em qualquer coisa como a feira semanal de sábado que existia no Bairro Norton de Matos quando eu era miúdo. Apenas faltam as barracas de negociantes a apregoarem as duas t-shirts a 1.000 escudos, com o negociante do lado, de repente, a oferecer três pelos mesmos 1.000 escudos.

Francisco-Caleira-autor

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura