13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUELuiz Goes no jazigo do Fado de Coimbra

Luiz Goes no jazigo do Fado de Coimbra

web-Goes-P3300012

MÁRIO MARTINS

Foram momentos simples mas profundos, à semelhança do carácter do Cantor. Momentos históricos.
A partir das 12h45 de hoje, os restos mortais da Voz repousam no jazigo destinado aos maiores nomes da Canção de Coimbra.

Fomos 200 os que comparecemos à cerimónia da trasladação da urna, que no dia do funeral encontrara abrigo no jazigo de António Portugal, outro nome enorme do Fado que por cá se toca e canta. Até hoje.
Da Escola Profissional de Teatro de Cascais vieram dois autocarros repletos de jovens que, logo à noite, no Teatro Académico de Gil Vicente, participam no espectáculo evocativo.

Durante a cerimónia ouviram-se dois fados, interpretados pelo grupo Raízes de Coimbra. E houve intervenções de Carlos Carranca (o amigo maior), Paula Goes (a viúva), Ana Goes (a filha) e Manuel Machado (presidente da Câmara). Intervenções marcadas pela emoção. Carranca quase não conseguiu falar, Paula agradeceu em nome do ex-marido e Ana lembrou um amor sofrido.

O jazigo tem espaço para quatro urnas. A meu lado, Jorge Cravo – outro grande – lembrava que aquele é o locar indicado para guardar os restos mortais de Edmundo Bettencourt e Artur Paredes. Concordo, simples admirador do Fado nascido no coração da Coimbra futrica.

Percurso acabado. Despedira-me do Amigo, há dois Verões atrás, à porta da Igreja de Santa Cruz. Reencontrei-o hoje, ao princípio da tarde, como algumas vezes sucedeu por aqui e por ali, nos últimos anos de vida, no Cemitério da Conchada.
E lembrei-me de acrescentar um “post scriptum” à carta que lhe dirigi naquele dia em que partiste. Este: «Olha, Luiz, foi muito digna a trasladação para o jazigo. Simples, como tu. Mas profunda nos sentimentos, no respeito. Na saudade».
O Cantor. A Voz. Também o Poeta. E o Amigo. Todos eles repousam desde hoje no Jazigo n.º 33 do Cemitério da Conchada – o  “Jazigo do Fado de Coimbra”. Para já, simplesmente, o jazigo de Luiz Goes.

LIGAÇÕES

(clique nos temas)

As fotos da cerimónia

Os vídeos da cerimónia

“Carta (póstuma) a Luiz Goes” escrita no dia do funeral

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura