18.8 C
Coimbra
Domingo, 26 Junho, 2022
InícioDESTAQUEDia das Mentiras na Comunicação Social

Dia das Mentiras na Comunicação Social

w-JN-Dia-das-Mentiras

(Jornal de Notícias, 2 de Abril de 1992)

MÁRIO MARTINS

O comportamento da Comunicação Social no 1.º de Abril, o “Dia das Mentiras”, é sintomático do divórcio crescente entre os produtores e os consumidores de informação. E o que se passou ontem em Portugal fornece pistas para uma reflexão sobre o assunto.

Ainda não há muitos anos, praticamente todos os “media” publicavam no dia 1 de Abril uma (ou mais) notícias falsas. Trata-se de uma espécie de jogo, que leva os leitores, os ouvintes e os espectadores a tentarem descobrir onde está a notícia que não é verdadeira. Esta situação, repetida todos os anos, aproxima os meios de comunicação do respectivo público, para além de reflectir uma relação de cumplicidade, de afectividade. E – no final – ninguém se zanga.
De há uns anos a esta parte, as mentiras do “media” no dia 1 de Abril têm caído em desuso, muito por culpa de uma nova geração, possuidora de uma visão tecnocrática da Comunicação e ignorante da história dos próprios meios onde desenvolve a sua acção. O Jornalismo tornou-e mais frio, mais cinzento perdeu a alma. E as “notícias” do Dia das Mentiras acabaram.

1Abril-desportivos

A Bola e Record de ontem

Ontem, em Portugal, houve pelo menos dois jornais que mantiveram a tradição: A Bola e Record. Curiosamente, dois jornais desportivos, sector onde a defesa dos valores da tradição e a proximidade aos leitores é maior. Nem Paulo Bento deixou a lista dos convocados para o “Mundial” na mesa de um restaurante, nem Pinto da Costa e bruno de Carvalho fizeram as pazes em Fátima. Os leitores perceberam isso quando abriram os jornais, sorriram, elogiaram talvez a criatividade dos jornalistas e o mundo continuou a girar como até então, mas agora mais bem-disposto. [E ainda há quem se admire com as elevadas tiragens dos jornais desportivos. Este é, apenas, um dos muitos ingredientes da “receita do sucesso”.]

Mas não se pense que esta viragem para um jornalismo inodoro, esterilizado, tecnocrata, frio e cinzento, que afasta a brincadeira do Dia das Mentiras dos “media”, acontece em todo o Mundo. Nada disso. Ontem, em Inglaterra, grandes jornais (The Independent, Daily Telegraph, The Guardian, Daily Express, The Mirror e The Sun) publicaram a “mentira do dia”. E porquê? Por uma razão simples: querem estar próximos dos leitores e reflectem a cultura da sociedade a que pertencem.
A própria Google não se coibiu de assinalar a data com o (falso) lançamento de uma nova aplicação para selfies.

Apesar de poder parecer uma questão de somenos, o comportamento dos “media” perante a tradição do 1.º de Abril acaba por revelar muito sobre os meios de comunicação social e os jornalistas.

PS – O COIMBRA JORNAL assinalou o dia 1 de Abril com a possibilidade de ser obrigatório pagar portagem para circular na Ponte de Santa Clara, um tema que foi comentado aqui no blogue e no Facebook por várias dezenas de leitores. Foi… divertido.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura