18.8 C
Coimbra
Domingo, 26 Junho, 2022
InícioÁGUA EM COIMBRAA propósito do preço da água em Coimbra

A propósito do preço da água em Coimbra

MÁRIO MARTINS

Duas “informações” sobre a actividade da empresa municipal Águas de Coimbra, publicadas nos últimos três meses, foram no mínimo muito estranhas. Por um lado, pela falta de adesão à realidade e, por outro, pelo que revelam sobre o jornalismo que se pratica actualmente em Coimbra.

titulos-DC-e-Beiras-água

No dia 19 de Dezembro, os dois jornais diários que se publicam na cidade noticiaram, com grande destaque, na 1.ª página, que a água iria baixar 5% em Coimbra. A informação não era verdadeira, como demonstrei – logo no próprio dia – no blogue “Coimbra.com”. Dois dias depois, os jornais viram-se obrigados a esclarecer que, afinal, o que baixava (de 4,10 para 3,90 euros) era a “taxa de disponibilização do serviço de água”, que não é mais do que o antigo “aluguer do contador”. O que, obviamente, nada tem a vem com o preço do líquido, que se manteve inalterado.

Há pouco mais de uma semana, no Diário de Coimbra, o presidente da Águas de Coimbra afirmou que a empresa vendeu maior volume de água nos meses de Janeiro e Fevereiro deste ano e justificou o facto com a «redução das tarifas, que era uma promessa eleitoral do actual executivo».

recorte-águas

Não se consegue perceber a que «redução das tarifas» se refere Pedro Coimbra, o autor da frase, já que as alterações no tarifário foram apenas duas: o “aluguer do contador” baixou 5% e a “taxa de recursos hídricos – saneamento” aumentou mais de 100%.
Como escrevi noutro local, um consumidor médio (que utilize 10 metros cúbicos de água por mês) conseguiu, no 1.º trimestre deste ano, uma poupança de 9 cêntimos mensais. Como o metro cúbico custa 81 cêntimos, é impossível que o aumento do consumo possa ser justificado com qualquer descida de preço do líquido – que, repete-se, não existe, nem existiu.

Talvez as razões sejam outras.
O aumento do consumo de água poderá estar relacionado com o facto das famílias terem cada vez maiores dificuldades em equilibrar o orçamento e, por isso, recorrerem menos a restaurantes. Cozinham mais em casa, sujam mais louça e… gastam mais água.
Talvez utilizem menos o serviço das lavandarias. Lavam mais vezes a roupa em casa e… gastam mais água.
Talvez o facto de existir um maior número de desempregados, que naturalmente passam mais tempo na habitação, implique que… gastem mais água

É preocupante a simplicidade com que o responsável máximo da Águas de Coimbra justificou o aludido aumento de consumo.
Igualmente preocupante é a forma como se comportaram os jornais diários da cidade, não exercendo a sua função de contraditar.
A consequência é óbvia: ao aperceber-se dos erros, o leitor pode passar a desconfiar da informação que lhe é transmitida. Porque ninguém gosta de se sentir enganado. Eu, pelo menos, não gosto.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura