13.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 20 Maio, 2022
InícioDESTAQUE25 de Abril: compromisso com o futuro

25 de Abril: compromisso com o futuro [Norberto Pires]


video11

NORBERTO PIRES *

«Pode crer, miss Machado, que nunca encontrei ao longo do meu percurso um povo tão sensato como aquele a que você pertence. Um povo nobre, sem álgebra, sem letras, 50 anos de ditadura nas costas, o pé amarrado à terra, e de repente aparece um golpe de Estado, todos vêm para a rua gritar, cada uma com a sua alucinação, seu projeto e seu interesse, uns ameaçando os outros, corpo a corpo, cara a cara, muitos têm armas na mão, e ao fim e ao cabo insultam-se, batem-se, prendem-se, e não se matam. Eu vi, eu assisti. É esta a realidade que é preciso contar antes que seja tarde.», Lídia Jorge, “Os Memoráveis”

É verdade. Agora com a distância suficiente, a revolução portuguesa foi um evento memorável e muito significativo. Fomos capazes de uma transição sem sangue, com loucuras e abusos tristes, mas sem irreversibilidades, saímos de um ditadura de interregno de cabeça erguida, olhando em frente e sendo capazes, às vezes na nesga, de promover os caminhos certos. Mas, o que aconteceu desde 1974?

Porque falhamos no objetivo de construir o país que temos a capacidade de ser? Por que razão não fomos capazes de organizar o país para responder às necessidades das pessoas, e acima de tudo acordar um conjunto de objetivos que fossem comuns a todas as forças políticas? Por que razão não apostamos naquilo que nos poderia diferenciar, e desperdiçamos todos os apoios que fomos capazes de obter?

Por que razão é Portugal um país tão desigual de norte a sul e do interior ao litoral? Por que razão não desenvolvemos as políticas públicas certas, associando-as aos fluxos financeiros de que beneficiamos? Por que razão um país com estas gentes, com esta qualidade de território, com esta cultura, com estas tradições, com esta diversidade e qualidade de atividades, não foi capaz de se diferenciar e mudar a sua sina?

Isto anda sempre na minha cabeça. Um povo que foi capaz do 25 de Abril, ultrapassando todas as dificuldades e tendo a nobreza de não matar, estava encaminhado a ter o destino que afinal não teve. Se eu pudesse falar na cerimónia comemorativa do 25 de Abril na Assembleia da República era isso que diria.

Convidava muitas de pessoas para falarem comigo: atores, músicos e pessoas comuns: fazia algo como no vídeo cujo link vos deixo abaixo. E cantávamos. Os portugueses cantam sempre, mesmo nas situações difíceis. A palavra passe da revolução era uma cantiga de Paulo de Carvalho (“E depois do Adeus”), e a própria revolução têm na cantiga “Grândola, Vila Morena”, de José Afonso, um símbolo bem marcado. Muitas outras cantigas estão associadas a esse evento e ao seu espírito, pelo que basta uma simples melodia de passagem ou o trautear da letra para conduzir a nossa memória a esse dia de libertação.

O povo que fez o 25 de Abril não pode ter falido 3 vezes depois disso, sem tirar consequências. Não bate certo. Não pode pensar que os valores do 25 de Abril, ligados à solidariedade, à liberdade, à responsabilidade, à responsabilização, ao mérito, etc., são coisas vãs e dispensáveis.

Não pode ter do Estado a mesma ideia que se tinha na ditadura que todos rejeitamos. Por isso esse povo aceitou financiar, ser contribuinte, de um modelo de Estado que presta serviços comuns, garante a saúde, a educação, a justiça, o apoio social, etc., e gere os interesses comuns desenvolvendo políticas sufragadas em atos eleitorais regulares. É urgente perceber o que falhou e corrigir (reformar), porque mais do que uma mensagem de esperança o 25 de Abril é um compromisso de todos nós com o futuro.

NOTA: Este texto é acompanhado de um vídeo.

* Professor universitário. O autor escreve segundo as regras do novo AO.

web-Norberto-Pires

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura