25.8 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioDESTAQUEDesporto em gaélico

Desporto em gaélico [Francisco Caleira]

Irlanda-rugby
O râguebi é, sem dúvida, o desporto rico e mais profissionalizado da Irlanda

FRANCISCO CALEIRA *

O desporto irlandês está longe de viver a dimensão profissionalizante da realidade portuguesa. A Irlanda é, talvez, um recanto perdido dos ideais de Pierre Coubertin. O râguebi é o desporto, financeiramente falando, mais excêntrico mas, contudo, longe dos ordenados milionários do futebol português. A razão: os desportos mais populares do país são 100% amadores.

Facilmente se pode dizer que a Irlanda não tem no futebol o seu desporto nacional, ou favorito. Bem, não é correcto, mas não é mentira. No topo da lista das preferências desportivas dos irlandeses surgem os despotos gaélicos: o “Hurling” e o futebol gaélico. Sinceramente, não sou grande fã de ver jogar futebol com os pés e as mãos. No entanto, rendi-me ao “Hurling”, um desporto veloz e de emoções fortes devido à inceteza do resultado. O que torna mais interessante estes desportos é o factor 100% amador destas modalidades que, contudo, e podem ficar surpreenidos, enchem estádios.

A recente vitória no Torneio das Seis Nações leva-nos ao desporto mais excêntrico, financeiramente, da Irlanda. O râguebi é, sem dúvida, o desporto rico, e mais profissionalizado, do país, ultrapassando facilmente o Liga irlandesa de futebol (Airtriity League). As equipas provinciais irlandesas venceram seis das 18 edições da Hineken Cup – a Champions League do râguebi europeu – e não é difícil encontrar jogadores provenientes do hemisfério sul nelas. Contudo, apesar do sucesso o râguebi fica longe da popularidade dos desportos gaélicos.

Futebol, bem futebol na Irlanda é um desporto secundário os irlandeses prestam mais atenção à Liga inglesa que ao seu próprio campeonato. Resta uma curiosidade. Existe uma equipa na liga irlandesa que me faz recordar a Académica, é a equipa da University College of Dublin (UCD). Esta equipa é constituída exclusivamente por estudantes daquela universidade, pagos em bolsas de estudo e propinas. Prova que estudar e jogar futebol é compatível. Poderá ser questionado o nível futebolístico e a realidade do campeonato irlandês, mas cada um vive na sua realidade.

Na sua esséncia o desporto irlandês fica financeiramente num patamar muito abaixo do desporto português. Esta realidade não deixa no entanto de ser curiosa se compararmos as medalhas olímpicas conquistadas pelos dois países. A par na prata e no bronze, a Irlanda dá cinco medalhas de avanço no que toca ao ouro. Moral da história nem sempre o dinheiro paga tudo para se ter sucesso no mundo do desporto.

Francisco-Caleira-autor

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura