(Foto de ISA CORTEZ)
(Foto de ISA CORTEZ)

 

Não te agites
Apenas
Nas bocas que gritam
Uma vez por ano
O mesmo lema.

Faz-te de novo, Minerva
Do pensar e sentir frenéticos,
Trazendo todos os portais
E sítios cibernéticos
Às praças e alamedas
Onde Zéfiro sopra
Para a tese e antítese,
Pois até a pobre dialéctica
Já muito nos sobra…

Dança, cidade,
As notas de cada compasso,
Apaixonada e entregue
Como se fosse a última valsa,
Canta já o prelúdio ansioso
De outra alvorada!

Eduardo Aroso © / Maio, 2014

Eduardo-Aroso-seccao

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here