13.9 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUECaso Daniel /  “Foi mesmo” ela…

Caso Daniel /  “Foi mesmo” ela…

web-Daniel-da-Madeira

 

IOLANDA CHAVES *

 

Afinal, parece que foi mesmo a mãe (e sabe-se lá mais quem) que tramou o dito sequestro do pequeno Daniel, em Janeiro passado, na Madeira. Digo “foi mesmo” porque, na ilha, ouvi muita gente, à boca pequena, levantar suspeitas contra os pais do menino.

Passou-me o mesmo pela cabeça, mas o coração fazia-me sacudir as orelhas para não ouvir a voz da razão. Apontar o dedo a uma mãe ou a um pai é quase um sacrilégio – e percebe-se porquê. À partida, pai e mãe são o reduto sagrado dos filhos, não é suposto fazerem-lhes mal, pelo contrário. Não sou mãe, mas é esse o sentimento que a minha mãe me transmite; um amor incomensurável que a faz ter menos para que eu tenha o máximo que ela me pode dar.

Diz-se agora que só a polícia não viu o óbvio. Se viu ou não viu, não sei, mas acredito que suspeitaram da família do miúdo. No caso da Madeleine, o inspector Gonçalo Amaral teve essa ousadia e deu-se mal. Terá havido medo da parte das autoridades policiais no caso do Daniel?

Palpita-me que a polícia estava à espera de um deslize e esse deslize aconteceu quando os pais do Daniel se separaram; a mulher acusou o homem de violência doméstica, pegou nas crianças e foi viver com um novo companheiro. E, como diz o povo, “zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades”…

O que me chateia nisto tudo é saber que no meio desta história estão dois inocentes, o Daniel e a irmã, a Mariana, que, depois do dito sequestro, ficámos a saber que sofre de uma doença cardíaca grave (será que sofre mesmo? Já nem sei!).

Para bem dos miúdos, espero que as bur(r)ocracias relacionadas com o arranjo da casa onde moram com os avós sejam ultrapassadas, por parte da IHM – Investimentos Habitacionais da Madeira, e elas possam ainda ter uma infância feliz, com o amor e carinho que lhes é devido.

Quando o Daniel desapareceu, e mesmo depois, levantou-se uma onda de solidariedade, na Madeira e no país. Espero que ninguém lamente o muito ou pouco que fizeram pelas crianças e que continuemos a fazer o possível por estas e por todas as outras crianças que por este mundo fora são vítimas da pobreza de espírito dos adultos.

Na mesma edição em que a detenção da mãe do Daniel é manchete, o Diário de Notícias da Madeira noticia que vai ser inaugurado, no próximo ano, na Região, um Centro de Medicina da Reprodução. A vida tem destas coisas. Uns, não sabem o que fazer com os filhos. Outros, passam a vida a querê-los. Nós todos, sociedade, temos o dever de nos preocuparmos com os filhos de uns e de outros, porque são eles o futuro da Humanidade!

web-Iolanda-Chaves-2

* IOLANDA CHAVES é jornalista. Em Coimbra trabalhou no “Campeão das Províncias” e no “Diário de Coimbra”

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura