13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESTAQUEOPINIÃO / A voz do dono

OPINIÃO / A voz do dono

ANTÓNIO B. MARTINS *

O “Jornal de Angola” publicou, na terça-feira, dia 17 deste mês, um Editorial daqueles a que já nos habituou. São crónicas de escárnio e maldizer. São linhas a espalhar a divisão e a maledicência. São textos inflamados, seguidistas, encomendados, vómitos de excrescências malignas, mal olhados, palavras carregadas de venenos e mais o que a vontade de gente mixordeira pretende criar, em divisão…

Usando uma linguagem de sargeta, ataca, fere e tenta escarnecer no nosso País. Já nos habituámos a este tipo de trato de polé, porque quem escreve tem, no sangue, nas guelras e no íntimo, um ódio de morte a Portugal e aos portugueses. São linhas de rancor, de insultos gratuitos e de muitos complexos.

Só para se ter uma ideia passamos a dar nota de uma ou outra frase que ali é vertida: «Só Lisboa, orgulhosamente só, continua a dar guarida a todos os inimigos da democracia angolana».

Este Editorial (que surgiu no dia seguinte ao término da visita do PR de Angola ao Brasil, onde – segundo o mesmo texto – o reforço da cooperação entre os dois países conheceu mais aprofundamento) também reflecte sobre a visita que parlamentares da UNITA efectuaram a Lisboa, nomeadamente à Assembleia da República, insurgindo-se contra as passadeiras vermelhas que receberam esses representantes do Povo angolano. Depois de trazer numa outra linha a apologia ao Brasil, provoca e desmerece nas elites portuguesas, que diz «corruptas e ignorantes em relação a Angola».

Não me merece, este tipo de “folhetim”, mais apropriado a pasquins de “couve e eira”, a perca de muito tempo, porque, e como diz a sabedoria popular, “os cães ladram… mas a caravana continua a passar”. No entanto, merece, e da parte do Governo de Portugal – quem não se sente não é filho de boa gente – uma posição. Permita-me, Sr. Ministro dos Negócios Estrangeiros, que lhe peça – caso não o tenha feito ainda – em meu nome  e de milhões de portugueses, que dê instruções ao nosso Embaixador em Luanda para apresentar um protesto formal, junto do Governo desse país, pelo conteúdo e sentido do Editorial ora publicado. Ficará , pelo menos, o registo para a História.

De resto, o “Jornal de Angola”, capitaneado por José Ribeiro, é a verdadeira “voz do dono”, portanto não diz mais do que o Governo lhe peça para transmitir ao Povo, sempre numa linha que não possa dar formação cuidada, a qual permita, a seu tempo, conceder maior Opinião Pública a pessoas que, na sua esmagadora maioria, caso não pertençam ao aparelho do partido do poder, vivem a tostões e a migalhas. Estão longe, mas muito longe, dos petrodólares e das jogadas de bastidores onde se confeccionam negociatas de biliões…

Aliás, o Sr. Director J. Ribeiro, em artigo de sua opinião, datado do pretérito dia 15, defende o direito do povo ao serviço público de informação. Ora, esta visão antiquada e bolorenta, encaixa, e perfeitamente, na visão de “aparelhos” de democracias descoloridas e não participativas…

O conceito de “serviço público” desvirtuou-se, prostituiu-se, desbaratou-se e faliu, porque carreirista, amarrado a poderes, entaipado por forças poderosas, agrilhetado por marionetes que vivem desses círculos e defendido por tachistas que, à força, têm de preservar cargos e lugares. Por isso, todo o tipo de fretes é possível, mesmo que, para isso, os fazedores hipnotizados de textos, artigos e crónicas de Órgãos da Comunicação Social “de serviço público” tenham de praticar piruetas sem rede… Enterrem o dístico “serviço público” e baptizem-no de “serviço comunitário”, dando-lhe nova roupagem, renovada imagem e uma serventia que tenha em atenção uma informação séria, desprovida de tirantes partidários e de facções governamentais. Que forneça, também, uma formação em (e com) discernimento, culta, educada, cívica e que nunca promova o ódio, o racismo, a divisão de pessoas e de povos, ajudando o Homem, essência da Humanidade, que se quer livre e saboreando a justiça social, a crescer e a exercer a plenitude da sua Cidadania…

O “Jornal de Angola” é um exemplo e um veículo desse serviço público, uma verdadeira correia de transmissão de que o Poder instalado, vai para uns 40 anos, precisa para se eternizar nas cadeiras de comando de um Povo e de uma Nação que ainda tem pesadelos do colonialismo e não sabe lidar com direitos e deveres, nem tão pouco sabe reconhecer que a vivência, em democracia, é um acto nobre de educação, de elevação, de cultura, de “norte”, de tolerâncias, de aceitar outras ideias, de promover diálogos e nunca guerras, de esquecer divisões, de enaltecer palavras de aproximação e de saber conviver em harmonia e paz…

Esta forma típica de morder sem açaime, de um Jornal que é voz de um dono todo poderoso que se tem mostrado acima de tudo e de todos, sem a humildade bastante para ser e saber ser conciliador, é a prova de que ainda existem muitas ovelhas tresmalhadas que teimam em exercer obscurantismos para justificar o que vão fazendo, a seu próprio bem…

Esta, como outras folhas de cicuta, são perniciosas às comunidades que servem e, também, são pólos geradores de vinganças e de ódios doentios, promotores de sociedades vingativas e sanguinárias, provocadoras de desacatos e identificam-se com os verdadeiros algozes que, por todo o lado, vão sacrificando gente da nossa gente, em fogueiras, em forcas, em prisões e em linhas de Jornais, em vozes de Rádios e em imagens televisivas, gente que, apenas e só, quer viver em paz, com pão, com água, com direito à saúde e à educação, e com a dignidade que todos devem merecer.

mapa-Angola

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura