13.6 C
Coimbra
Sexta-feira, 20 Maio, 2022
InícioDESTAQUEA crónica do Portugal-Gana por quem acredita em milagres

A crónica do Portugal-Gana por quem acredita em milagres

Beto-chora
O guarda-redes Beto chora no momento da substituição por lesão

FERNANDO CALADO RODRIGUES *

Por que motivo é que o milagre não aconteceu? No Evangelho, Jesus exigia que o miraculado fizesse a sua parte…

 

O golo de Varela, ao cair do pano do jogo com os Estados Unidos, não deixou que Portugal fosse imediatamente eliminado do Mundial. Alimentou uma réstia de esperança na passagem aos oitavos de final. Matematicamente era possível, mas poucos acreditavam que viesse a acontecer. As contas eram demasiado complicadas. Só mesmo a conjugação de muitos fatores permitiriam a tão desejada passagem. Só mesmo um milagre, que mesmo os mais crentes consideravam quase impossível, é que nos poderia redimir da humilhação que a Alemanha e os Estados Unidos nos impuseram. Restava-nos jogar com muitas ganas de ganhar, se possível por muitos, para ao menos sair de cabeça erguida e rezar aos deuses do futebol que não se verificasse um empate no outro jogo.

Nas primeiras imagens da transmissão do jogo vi dois jogadores do Gana em atitude de oração. Um de pé de braços abertos e o guarda-redes de joelhos entre os postes.

Nos primeiros minutos pareciam que os deuses estavam por eles. Uma bola vai à trave e o guarda-redes defende duas oportunidades soberanas de Ronaldo. Finalmente o golo para continuar a acalentar uma íntima esperança no milagre, ainda por cima autogolo…

O milagre, nos Evangelhos, acontece quando a pessoa reconhece a impossibilidade de resolver a situação em que se encontra e pede a intervenção de Jesus. Após o golo da Alemanha aumentam as esperanças. O resultado do outro jogo conta a nosso favor. Mas a nossa equipa não faz a sua parte e ainda por cima o Gana marca. No Evangelho, Jesus exigia que o miraculado fizesse a sua parte. Ou manifestando a sua confiança no Senhor ou, como no caso da multiplicação dos pães e dos peixes, ou disponibilizando os parcos recursos que têm. Nem que sejam apenas cinco pães e dois peixes.

A nossa seleção até tinha o melhor do mundo, e alguns dos melhores, mas como equipa valeram muito menos do que cinco pães ressequidos ou dois peixes podres… Por isso o milagre não aconteceu. Pelo menos não ficámos em último lugar. É hora de trabalhar para a próxima competição porque, como alguém diria, os milagres custam muito trabalho…

 

(Texto publicado no “Expresso online” de hoje, 27 de Junho de 2013.)

* padre da diocese de Bragança-Miranda. Colaborador permanente do COIMBRA JORNAL. Autor do blogue “Igreja e mundo”.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura