19.4 C
Coimbra
Quarta-feira, 29 Junho, 2022
InícioDESTAQUEEDITORIAL / Blogue: um novo caminho

EDITORIAL / Blogue: um novo caminho

Coimbra-Jornal-logos

MÁRIO MARTINS *

O COIMBRA JORNAL acaba de completar meio ano de existência. Como parece distante a passagem de 31 de Dezembro para 1 de Janeiro, quando este espaço abriu as portas, oito minutos depois da meia-noite!

Foram seis meses ricos de experiências. No início, com actualizações diárias. Ao fim de três meses, com actualizações mais profundas às terças e sextas-feiras. Sempre na companhia de milhares de leitores, alguns dos quais fizeram chegar textos, fotos, sugestões, comentários. Tem sido uma bela experiência.

Houve dias em que estive 12 horas sentado frente ao computador a dar corpo à ideia, com o apoio – inestimável – do Rafael Mota. Com a colaboração do Gonçalo Cabral, que ofereceu o logotipo do blogue. Com textos de quem quis partilhar esta ideia. Com a ajuda de outros mais. Muito obrigado a todos.

O blogue vai agora entrar numa nova fase, porque o autor acaba de regressar ao “mercado de trabalho”. Mas o COIMBRA JORNAL não vai fechar as portas. Apenas terá actualizações mais irregulares. Mas por aqui continuará, um dia destes vestido com nova roupagem, ainda mais atraente, já preparada.

A ideia é para manter. Ao longo destes seis meses, o COIMBRA JORNAL acumulou uma grande experiência. Sabemos hoje quais os temas que despertam maior interesse, as horas a que o blogue é mais consultado, o tipo de linguagem que melhor se adequa a este mundo dito virtual mas cada vez mais real.

O COIMBRA JORNAL está vivo. A partir de agora, no entanto, com um “andamento” diferente. Mas com o compromisso da primeira hora: noticiar o que outros ignoram, pugnar pela participação cívica na vida da comunidade, dar voz aos que normalmente não são escutados.

Este blogue é uma aventura, mas igualmente a resposta a desafios concretos da vida do autor. Há muita gente a propagandear capacidades que não tem, incapaz de colocar as suas capacidades ao serviço dos outros. Aqui fez-se (e continuará a fazer-se) um verdadeiro serviço público, gratuito, sem apoios de qualquer espécie para além do carinho e do estímulo que nunca deixou de nos chegar. Em total liberdade porque assim o exige quem se pauta por valores.

Até ao momento, o COIMBRA JORNAL conta mais de 140.000 visualizações.
Continuaremos a vermo-nos por aqui. Bem-hajam.

Coimbra, Dia da Cidade de 2014

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura