13.4 C
Coimbra
Quinta-feira, 30 Junho, 2022
InícioDESPORTOEsta desgraçada Selecção

Esta desgraçada Selecção

adeptos-de-Portugal

ANTÓNIO B. MARTINS *

A nossa Selecção de Futebol sai do Brasil, do Campeonato do Mundo deste ano, com uma imagem miserável e polémica. Sem brilho, sem tino, sem fôlego e sem pernas, a que acresceu uma ou outra incapacidade técnica por banda do treinador, o onze português… traduz, também, a mediocridade que, a todos os níveis e em todos os sectores, tomou conta do nosso espaço nacional.

A Federação Portuguesa de Futebol é, vai para muitos anos, um grupo de amigos, onde figuras como Carlos Godinho (e outros) se eternizam em lugares-chave para mal dos “pecados” do organismo do futebol nacional.
Trata-se de um grupo de amigos, uns da direita e até outros da esquerda, que vão velando pelo “corpo” estafado e corroído da FPF, numa sintonia de opiniões e de posições que, todos os anos, com a consciência baralhada e atrofiada não conseguem levar a bom rumo um conjunto de jogadores que não precisa dos tostões que lhes passam para a mão, qual gorjeta de um grupo de clientes, porque militam, na sua esmagadora maioria, em campeonatos milionários.

Desde a primeira hora que só se falava de Cristiano. E cadê os outros?… Alimentou-se uma “loucura” em torno do CR7, parecendo que a equipa era, só e apenas, o “menino” Cristiano. E se lhe desse um “traquelimane” (uma impossibilidade qualquer)? Ficávamos sem selecção? Como é que próprio deixa que isso aconteça? Como é que a maior parte dos colegas do grupo geriram as conferências de imprensa, sempre a falar do melhor do mundo?
Como se uma selecção dependesse de um elemento que é o melhor do mundo. Mas uma selecção, de qualquer modalidade desportiva, não é um conjunto?

E quanto pagou a nossa Federação do desporto-rei por trazer, a reboque do CR7, os massagistas do Real Madrid? A selecção não os tem? E não tem médico?
Que confusão… que desnorte… que miséria… que poucas vontades… que manifesta falta de garra… que desassossego desportivo… que medonha inexistência de valentia pátria… que perdulários… estas estrelas menores do nosso futebol. Enfim… tudo atrás da bola dos milhões, porque a dos farrapos, do tempo de Eusébios, Matateus, Torres, Simões, Zé Augustos, Costas Pereiras, Hilários e outros… já não faz “dançar” estas vedetas que amontoam cifrões e não deviam merecer o nosso respeito.

Ainda sou do tempo em que, no Mundial de 66, com a equipa dos “Magriços”, o Eusébio – um jogador humilde e um senhor simples – vergou uma Coreia que, depois de nos impor o 3-0, foi derrotada por 5-3, com quatro golos desse magnífico Rei da bola… Tempos memoráveis, com um outro senhor do futebol – o brasileiro Otto Glória.
Mas havia outros incentivos, os da nobreza dos homens, os da cidadania das pessoas (jogadores) e os do portuguesismo que, e todos juntos, se cumulavam no patriotismo…

A esta desgraçada selecção, rota de intenções, medíocre em atitude, pobre em ideal, parca em  humildade na defesa do bom nome de Portugal, não lhe restava outro caminho se não o que, agora, amargamente sentimos: voltar para casa, de rabo entalado, com a bola debaixo do braço, de maleta aviada e de equipamento amarrotado e sem cheiro a suor… É uma vergonha para todo o onze que se perfilou para os três jogos que foram cumpridos.

Mas não podem escapar a críticas o treinador Paulo Bento, o director  desportivo Carlos Godinho e uma outra figura que, nos bastidores, é dono e senhor deste “mundo” de um futebol que vem apodrecendo ao sabor das notas, dos interesses dos empresários dos jogadores e de muita “coisa” que não transpira para fora dos balneários que a nossa selecção pisa. Já dizia Gilberto Madail, a 15 de Abril de 2000: “Enquanto estiver na FPF, Carlos Godinho será intocável”. Que poder terá este pêcêpista ?

Mas a FIFA, essa majestática empresa toda-poderosa é, também, hoje, uma organização muito criticada, mas que sabe o que quer e para onde caminha para que os estádios dos “Mundiais” não percam tifosos de um futebol inquinado e já sem amor a camisolas e a desafios. A mim, já nem o futebol me leva… nem me alegra, porque se desvirtuou e está possesso de “infernos” e de “diabos” que andam por ai à solta para envenenar o desporto-rei.

Até 2016, em França, onde teremos de levar malta nova para haver quem tenha de conquistar posição e nome e, assim, lutar para ocupar lugar cimeiro que seja orgulho de Portugal e dos portugueses.

RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -

Most Popular

Recent Comments

Célia Franco on Redacção da TSF ocupada
Maria da Conceição de Oliveira on Liceu D. Maria: reencontro 40 anos depois
maria fernanda martins correia on Água em Coimbra 54% mais cara do que em Lisboa
Eduardo Varandas on Conversas [Vasco Francisco]
Emília Trindade on Um nascimento atribulado
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
Emília Trindade on Sonhos… [Mário Nicolau]
José da Conceição Taborda on João Silva
Cristina Figueiredo on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria Emília Seabra on Registos – I [Eduardo Aroso]
São Romeiro on Encontro Bata Azul 40 anos
Maria do Rosário Portugal on Ricardo Castanheira é suspenso e abandona PS
M Conceição Rosa on Quando a filha escreve no jornal…
José Maria Carvalho Ferreira on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria Isabel Teixeira Gomes on COIMBRA JORNAL tem novos colaboradores
Maria de Fátima Martins on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
margarida Pedroso de lima on Prof. Jorge Santos terminou a viagem
Manuel Henrique Saraiva on Como eu vi o “Prós e Contras” da RTP
Armando Manuel Silvério Colaço on Qual é a maior nódoa negra de Coimbra?
Maria de Fátima Pedroso Barata Feio Sariva on Encarnação inaugurou Coreto com mais de 100 anos
Isabel Hernandez on Lembram-se do… Viegas?
Maria Teresa Freire Oliveira on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Teresa Freire Oliveira on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Maria Madalena >Ferreira de Castro on Crónica falhada: um ano no Fundo de Desemprego
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on INSÓLITO / Tacho na sessão da Câmara de Miranda
Ermenilde F.C.Cipriano on REPORTAGEM / Bolas de Berlim porta-a-porta
Eduardo Manuel Dias Martins Aroso on De onde sou, sempre serei
Carlos Santos on Revolta de um professor
Eduardo Varandas on De onde sou, sempre serei
Norberto Pires on Indignidade [Norberto Pires]
Luis Miguel on Revolta de um professor
Fernando José Pinto Seixas on Indignidade [Norberto Pires]
Olga Rodrigues on De onde sou, sempre serei
Eduardo Saraiva on Pergunta inquietante
mritasoares@hotmail.com on Hoje há poesia (15h00) na Casa da Cultura
Eduardo Varandas on Caricatura 3 (por Victor Costa)
Maria do Carmo Neves on FERREIRA FERNANDES sobre Sócrates
Maria Madalena Ferreira de Castro on Revalidar a carta de condução
Eduardo Saraiva on Eusébio faleceu de madrugada
Luís Pinheiro on No Café Montanha
Maria Madalena Ferreira de Castro on Eusébio faleceu de madrugada
José Maria Carvalho Ferreira on José Basílio Simões no “Expresso”
Maria Madalena Ferreira de Castro on Carta de Lisboa
Manuel Fernandes on No Café Montanha
Rosário Portugal on Desabamento na Estrada de Eiras
manuel xarepe on No Café Montanha
Jorge Antunes on Mataram-me a freguesia
António Conchilha Santos on Nota de abertura
Herminio Ferreira Rico on Ideias e idiotas!
José Reis on Nota de abertura
Eduardo Varandas on Caricatura
Eduardo Varandas on Miradouro da Lua
Célia Franco on Nota de abertura
Apolino Pereira on Nota de abertura
Armando Gonçalves on Nota de abertura
José Maria Carvalho Ferreira on Nota de abertura
Jorge Antunes on Nota de abertura
João Gaspar on Nota de abertura
Ana Caldeira on Nota de abertura
Diamantino Carvalho on Mataram-me a freguesia
António Olayo on Nota de abertura
Alexandrina Marques on Nota de abertura
Luis Miguel on Nota de abertura
Joao Simões Branco on Nota de abertura
Jorge Castilho on Nota de abertura
Luísa Cabral Lemos on Nota de abertura
José Quinteiro on Nota de abertura
Luiz Miguel Santiago on Nota de abertura
Fernando Regêncio on Nota de abertura
Mário Oliveira on Nota de abertura